Páginas

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

A descoberta

Cartão que o papai recebeu para saber da gravidez
Foi engraçado e emocionante. A gente vinha planejando ter um filho. No início do ano aderi ao plano de saúde, em maio parei de tomar a pílula, mas, por já ter 10 anos de anticoncepcional acumulados no corpo, achei que demoraria. Não é que meu segundo óvulo útil já se colocou a trabalhar? Pá-buft! Rapidinho.

A gente queria muito uma gravidez, tanto que cheguei a ir ao ginecogista em maio e realizar vários exames de rotina. Tudo estava bem, felizmente. A ideia era encomendar o bebê no final do ano, depois do casamento que será em outubro, ou no início do ano que vem. Mas ele resolveu não esperar.

Confesso que eu estava tão despreocupada que não anotei a data da última menstruação. Estava perdidinha nas contas. Tanto que nem me dei conta de que já estava atrasada. Somente quando se passaram uns cinco dias do atraso é que me ocorreu a possibilidade.

Terça passada, dia 2 de agosto, levantei disposta a ir doar sangue na campanha que o Hemepar faz no Hospital de Tibagi. Falei sobre isso no programa de rádio e li que mulheres grávidas não devem doar. Foi quando me deu um estalo.

Guardei a informação e na hora do almoço resolvi passar na farmácia. Com toda tranquilidade fiz o exame em casa. Enquanto esperava o resultado, ainda arrumei a cama, lavei louça... Quando voltei... aquele segundo risquinho cor-de-rosa aparecia, meio esmaecido, mas com uma carinha safada querendo indicar que seria positivo.

O coração acelerou, a respiração mudou na hora e minhas mãos tremeram. O primeiro pensamento foi confuso. Será? Grávida? Deve estar errado! Li novamente as instruções na bula do exame. Dizia que mesmo com a cor bem apagada, se o segundo risquinho aparecesse, era gravidez na certa!

Primeiro presentinho foi da tia Rapha!
Não segurei uma lágrima, mas aí a ansiedade para confirmar isso era maior. Saí às pressas, sem almoço, corri para o laboratório. A enfermeira não estava. Precisaria aguardar 15 minutos. Assim teve início uma agonia que nunca tinha sentido antes.

Tentei me distrair, fui ao restaurante, tentei almoçar. Sobrou tudo no prato. Simplesmente não conseguia engolir. Uma mistura de sensações. Uma felicidade imensa se fosse verdade, um medo gigantesco de que fosse mentira...

Se por um lado eu não estava esperando, por outro eu já não admitiria mais não estar grávida. Pedi o calendário do restaurante emprestado. Refiz as contas e continuava confusa.

Dez minutos depois eu já estava no laboratório e com tamanha euforia que a enfermeira até se divertiu. Nem senti a agulha, não parava de falar um minuto. "Pode vir buscar as três". Duas e quarenta e cinco eu estava lá. Depois de três horas que duraram mais que a vida toda. Eu olhei para o relógio pelo menos a cada minuto. O Christian, meu colega de trabalho, me ajudou a passar o tempo e estava otimista.

Mas meu medo ali já era por um resultado negativo. Eu não queria mais voltar para casa sem um bebê dentro de mim. O resultado estava pronto. Recebi com tremedeira, abri e procurei pelo 'positivo'... mas nada!

Depois de várias informações que mal consegui ler, havia a indicação de um valor que era "compatível com gestação". No desespero já não sabia interpretar, "Lê pra mim por favor?". O enfermeiro leu. "Tô ou não tô grávida?". "SIM! POSITIVO!"

Foram as duas palavras mais lindas que já ouvi! Comecei a pular ali mesmo e comemorar. Me dei conta de que não deveria pular. Abracei a turma toda do laboratório. E perguntei: "e agora, o que faço, pra onde vou?".

É engraçada essa sensação. Uma felicidade sem fim. Uma sensação de que estava flutuando, de que era tudo sonho. E uma dúvida sobre o que deve ser feito. Impressão de que não poderia continuar meu dia como antes. De que não poderia mais tocar a vida de antes.

Atravessei a praça andando e sorrindo. Sentei no banquinho. Lembrei de ligar para a clínica. Marquei consulta para o dia seguinte. E fui comprar sapatinhos. Contei para as atendentes. Ficaram super felizes. Liguei para minha prima Carla. Voltei para o trabalho mas não consegui me concentrar em trabalho por nenhum segundo mais. Escrevi cartões para o papai e para os avós e tios. 


Chris me ajudou. Não poderia ainda contar para mais ninguém. Abri exceções para Juliana e Liliana, que ficaram eufóricas também. O João tinha que ter prioridade na informação. Fui pra casa e as horas novamente não passavam. João demorou nesse dia. Chegou 8h15 da noite. Minha bochecha já doía de tanto sorrir. Minha barriga já estava vermelha, de tanto eu passar a mão e falar com ela.

Foi emocionante. João leu o cartão e virou estátua por alguns segundos. Me abraçou muito, perguntava se era verdade, se não tinha erro. E saiu com essa: "Então eu sô bão mesmo amor? Sou fértil?" rerere.

Depois virou um disco riscado e repetia sem parar: "nossa! nossa! nossa! meu Deus! nossa!". Foi assim a noite toda. Afirmou que agora vai estudar mais firme, que vai trabalhar pesado... e ligou para seus pais e sua irmã. Foi aquela choradeira!

Papai romântico. São as mais lindas que já vi. E ainda veio o sapatinho.
Eu só contei para minha família no dia seguinte. Queria que fosse pessoalmente. Saí na hora do almoço de Tibagi e cheguei lá com a notícia.

Desde então, não paro de contar aos quatro ventos que seremos papais. Que aqui dentro de mim vive um bebê e que sou a pessoa mais feliz do mundo. Estou de seis semanas e não passo um minuto sequer sem lembrar que estou GRÁVIDA! E feliz com tantas manifestações de amigos pelas redes sociais e por telefone!

Já ganhamos presentinhos, já iniciamos um enxoval e a cada peça de roupa, a tentativa de imaginar como ele(a) será. Ganhei flores lindas também do João! Ganhei sentido na vida como nunca imaginei ter!

Beijos amigos. Nos falamos mais. Temos oito meses pela frente! :-)

Manu

5 comentários:

  1. Hahahaha... que delícia de texto!!! Li tudinho!!! Já te dei PARABÉNS pelo face, mas dou novamente por aqui... PARABÉÉNNNSSS Manoo!!! Que DEUS abençoe muito sua família!!!

    Rafa.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Rafa! Você sempre um doce de amigo! Um beijo do nenê pro tiooooo!

    ResponderExcluir
  3. Ola Manu!!!! Saudades
    Que lindo blog, parabéns e me emocionei com o relato da gravidez, muito lindo, que Deus ilumine sempre sempre a linda mamae , felicidades ao papai
    estou muito feliz por voces
    beijossssssss
    da prima e amiga
    Lucianna ou Lu

    ResponderExcluir
  4. ola Manu..
    me recomendaram seu blog pq tbm estou gravida...
    lendo, me identifiquei, vc descreveu extamente o que senti qdo descobri... hj estou de 9 semanas..
    Bjoss
    Mari

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mari... PARABÉNS!!! O que vem por aí são as experiências mais maravilhosas da tua vida. E passa super rápido. Aproveite cada segundinho. Gravidez é uma fase linda na vida da gente. Que Deus abençoe vocês, muito muito. Apareça sempre aqui e fique à vontade. Ah, e me mantenha informada sobre o/a bebê! :-)
      Se quiser, manda um e-mail: emanoellew@gmail.com.br

      Beijinho!

      Excluir

Comenta aí que a mamãe fica faceira! E volte sempre, a casa é sua! :-) Ou me mande um e-mail: emanoellew@gmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...