Páginas

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

17 semanas e uma pose pra foto

17 semanas e uma piscadinha pra câmera!
Oi gente!

Fizemos ultrassom na última sexta-feira e João Augusto está enoooorme! Como cresceu em um mês! Antes era possível ver ele todinho na imagem na tela, agora só dá para vê-lo em partes e o médico precisa passar a câmera de um lado a outro da barriga para capturar imagens de todas as partezinhas.

Ele tem um barrigão e um cabeção enormes, por enquanto! E durante o exame, parou de se mexer e olhou fixamente para a foto. O doutor conseguiu registrar o brilho dos cristalinos dos dois olhinhos. Parece um esqueletinho meu filho né? rerere. Graças a Deus está tudo bem com ele, perfeitinho, com o coraçãozinho batendo a 147 por minuto.

13 semanas: Guri!
E eu falando em meu filho, chamando de João Augusto, mas certeza do sexo que é bom... nada! O médico arriscou dizer que era menino no ultrassom de 30 de setembro, quando ainda estávamos de 13 semanas e o exame ainda não era conclusivo. Fui na maior expectativa para este ultra, de 17 semanas já, e acredita que o bonito cruzou as perninhas? Não mostrou nada! Ou seja, não temos a confirmação! No fundo eu sei que é piazinho, rerere, mas vamos aguardar a próxima consulta, dia 28 de novembro.

Mesmo assim, já saí espalhando para o mundo que meu bebê é o bebê e não a bebê e por conta disso tenho ganhado muitos presentinhos azuis, verdinhos... Uma coisinha mais linda que a outra. Meu enxoval já está enorme e eu não comprei nadica de nada até agora. Já temos cobertores, mantas de tricô, blusinhas, tip-tops e muitos sapatinhos. Até uma calça jeans com uma camiseta polo o bebê já tem. Vai ficar um homenzinho lindo!

Estou arrumando tudo meio que improvisadamente em meu armário enquanto não monto um quarto pro bebê. E adoro ir lá todo dia tirar tudo do lugar, dobrar, falar com vozinha de criança com as roupas imaginando como será quando elas estiverem envolvendo meu pequeno e guardar tudo de novo.
Ah, minha vó Francisca, de 92 anos, fez uma manta de tricô linda: um mês antes de saber que eu estava grávida! Ela sempre teve a mania de pressentir as coisas. Quando começou a tricotar disse pra todo mundo que era pro meu bebê. Cinco semanas depois contei a novidade e ganhei o presente. Que danada né?

Família completa com o Kiko
Quanto aos sintomas, quase nada. Só as "perebas" na pele mesmo! Isso não tem jeito, não some e não posso usar remédio. Melhora um pouco e aparece de novo. São grosseirões na bochecha e nas pálpebras. Nada de maquiagem, no máximo um delineador e uma máscara para cílios. Pó nem pensar! Coça bastante e incomoda. Mas nada intolerável. Tirando em conta que não tive um enjoozinho sequer, não incho, meu sono exagerado passou, a pressão está estável (9 por 5 na última consulta), glicemia em ordem... Tô no lucro né? Às vezes um pouquinho de dor nas costas, mas a culpa é minha. Falta caminhar mais.

Por falar em caminhada, semana passada comecei a andar com a outra gravidinha que adoro, a Juliana, e com a Liliana. Super animadas percorremos a cidade toda na segunda-feira. E depois comemos um pastel de queijo né Ju? rerere. E foi só também. Hoje quero retomar o esforço, nem que eu saia sozinha.

As unhas que estavam super fortes no começo agora estão fraquíssimas, se destruindo, quebrando, finas... Os nutrientes estão com o bebê. O peso... bem  o peso... é... tá bom, confesso: levei bronca. Depois do casamento liberei demais a comilança e engordei quase três quilos em um mês. Já sei, já sei... preciso me cuidar! A sorte é que eu não tinha engordado nos dois meses anteriores então ainda estou na média. Entro para o quinto mês com seis quilos a mais, o que está dentro da normalidade.

O correto, segundo Dr. Luiz Antonio, é engordar 300 gramas por semana nestes primeiros meses e até 500 gramas por semana nos dois últimos. Já entendi o recado e agora lá vou eu para as saladas, legumes e frutas. Tô com fome! Aliás, estou sempre com fome. Comer se tornou um prazer enorme. 

A barriga cresceu bastante e as roupas de gestante já começam a servir. Agora a expectativa é por sentir ele se mexer, o que deve acontecer até a 21ª semana. Já estou chegando ao meio da gestação e a sensação é que o tempo está voando. Por isso não podemos perder tempo. Eu e João estamos aproveitando feriados e finais de semana para procurar um lar doce lar para este pimpolho. Já temos algo em vista e logo mais conto se deu tudo certo.

Agora vou lá encher este bebê de vitaminas, ferro, cálcio e tudo mais para ele ficar ainda mais lindão na próxima foto! Beijos amigos!!!

Manu


Algumas informações do http://brasil.babycenter.com/ sobre o desenvolvimento do bebê nesta semana que passou:


"As coisas começam a mudar bastante. Nessa semana, os olhos do bebê passam a olhar para a frente, em vez de para os lados, as orelhas estão praticamente na posição certa e a cartilagem que vai se tornar o esqueleto está prestes a endurecer".

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

30 anos! Balanço e Planos

Oi queridos!

Passei o dia envolvida com uma onça que apareceu em casa próxima ao RioTibagi (veja aqui) que saiu até no G1. Agora, encerrado o expediente, passei aqui para falar sobre este momento de passagem na minha vida. Hoje é meu último dia como jovem (oficialmente). Amanhã adentro a casa dos 30 anos, a chamada maturidade, e para ela há tantos planos...

O primeiro é continuar jovem! rere. Mas só até os 60, pois chegando lá quero curtir a terceira idade no ritmo que os idosos de hoje curtem... viajando, dançando e vivendo muito!

Mas antes dos sonhos, o dia foi também de balanço. Coloquei na mesa boa parte de tudo o que vivi nestes últimos dez anos. Dos 20 aos 30 fui tanta coisa que é difícil lembrar de tudo. Mas os momentos mais marcantes estão aqui para me fazer perceber o quanto fui uma sortudona! 

1982 em Serra do Apon
Depois de nascer e crescer no sítio, passar pela adolescência mais tranquila e comportada do mundo (inclusive catequista eu fui), cheguei à tal maioridade para voltar a ser criança. Foi na década dos vinte que pirei o cabeção e vivi fortes emoções. Me formei, fiz pós, comecei outra pós e parei, mais uma... fiz infinitos cursos, palestras, workshops, congressos e até fui palestrante em muitas ocasiões. Viajei daqui até Fortaleza num ônibus para participar de um Encontro Nacional de Comuicação. Na volta desci em Salvador sem saber como chegaria em casa. Andei pelo jornalismo na maioria das vezes, como no Enecom de Brasília, mas andei bastante pelos estudos sobre turismo, história, cultura: assuntos que continuam a me interessar bastante.

Escrevi muito! Escrevo ainda, todos os dias, centenas de linhas... Milhares de páginas que, em geral, sequer tenho arquivadas. Li grande parte das obras que eu sonhava ler. Li também muita coisa que jamais imaginaria ler... Tive necessidade de buscar pela fé em muitas ocasiões. Me perdi entre religiões e continuo não sendo parte de nenhuma, verdadeiramente. Comecei a fazer terapia e abandonei. Entrei na academia e desisti (4 vezes). Mas nem só de desistências foi minha última década.

E a gente descobre que família é o principal
Gostei de tanta gente... Fui 'gostada' de várias formas... Arrisquei tudo, mudei completamente, abandonei toda a segurança e conforto. Magoei, fui magoada, perdoei e pedi perdão. Troquei o certo pelo totalmente duvidoso. Me embrenhei no desconhecido e deixei a vida me levar. Foi maravilhoso! Foi terrível. Vivi como se estivesse em um filme. Flutuei num céu de felicidade. Caí bruscamente e fui amparada pelas verdadeiras amizades (obrigada minhas meninas de Mafra, vocês sabem o quanto são especiais nesta história). Encontrei novas irmãs (Mimi, Day, Rapha, Dani, Adri, Lelê, Nelzoca... amo vocês). Reencontrei grandes companheiras(os) e descobri tantos novos. Consegui finalmente perceber que o amor por minha família é maior que tudo e que não vivo sem eles! Viajei muito... Tudo o que pude, o que estava ao meu alcance.

Nessa década morei em Castro, Ponta Grossa, Castro de novo, Curitiba, Castro outra vez, Mafra, Castro again, Tibagi... Mudei 13 vezes de casa num prazo de nove anos. Vivi numa mansão, numa kitinete de duas peças, num apezinho azul, numa casa de frente pro rio, na mãe outra vez e em tantos outros lares onde o que nunca faltou foi aconchego! Aprendi a me acostumar! Hoje sei me adaptar a realidades completamente diversas e a pessoas totalmente diferentes. Do miojo com creme de leite ao côngrio com alcaparras, do albergue ao hotelzão, da kombi ao avião, da sola de sapato furada ao carrão... Do ter tudo e do quase nada ter... Disso tudo tirei felicidade.

Prefiro quando posso dar voz assim
Trabalhei feito condenada. Não passei um dia sequer destes 10 anos desempregada (ufa!). Dei a enorme sorte de sempre sair de um trabalho para entrar em outro que eu escolhi, sem ter sido demitida. Fui liderada e tentei ser líder (apesar de não ter perfil para isso). Aprendi muito sobre minha profissão e especialmente sobre o que gosto e o que repudio nela. Tento optar por cargos que me permitam escolher entre fazer uma coisa ou a outra. Esforço-me por manter conduta ética e de integridade, embora não seja fácil enfrentar quem manda.

Fiz muita festa! De filme, chimarrão e pipoca com as amigas a grande show de cima do palco... De viagens com o único intuito de festar a retiros espirituais onde também havia agito. Amanheci na rua muitas e muitas vezes, rindo aos montes ou simplesmente tentando me divertir. Fiz teatro e apesar de nunca ter sido boa atriz, senti que o palco também é minha casa. Fiz esportes radicais: passei pelo círculo de fogo na garupa de um integrante dos Ases do Motociclismo, saltei de paraglider, fiz rafting, boiacross, tirolesa, rappel no pontilhão do trem, pulei do alto, voei de teco-teco, de helicóptero, desci as dunas de bugue, mergulhei em águas cristalinas. Não tive medo! Descobri que adoro altura. Aos poucos, fui me tornando mais curiosa, menos tímida e mais bem-humorada também. Aprendi que tirar sarro de mim mesma é mais divertido que zombar dos outros.



Sobrinhos do meu coração
Ganhei três lindos sobrinhos! A doce, meiga e carinhosa Isabella. O sapeca, agitado e amoroso Luiz Henrique. O sorridente e pequeno polaquinho Mateuzinho. Encontrei os sentimentos mais puros do mundo ao passar minhas tardes livres brincando com eles.



Ganhei dois lindos cãezinhos. Meus filhos de estimação Kiko e Clara, que sempre me deram alegria e orgulho. Vi o Kiko ser salvo quando já cansava de nadar contra a correnteza no Rio Iapó. Vi a Clarinha atravessar o rio todinho a nado só para me encontrar do outro lado. Levei os dois para tratamento de quimioterapia... Ainda os tenho e continuo aprendendo com eles sobre o que é lealdade.

Bem, cheguei aos trinta e, quem diria, casei (desencalhei a tempo, rararara). Não só casei, como casei em grande estilo, numa festa tripla e com cobertura da Globo (quem me viu assando pinhão na grimpa não imaginaria). Vivenciei a coisa mais maluca e maravilhosa da vida ao entrar na igreja para casar juntamente com dois dos meus irmãos e minhas cunhadinhas.

17 semanas!
Não bastasse isso, cheguei aos trinta gerando um bebê!!! Acho que ninguém que me conhece bastante imaginava... Afinal, nunca falei em casamento, sequer sonhava com isso. E quando o assunto eram filhos, o lema era adiar. De repente me deu uma pressa. Sim, sim, confesso... tive a crise dos 29.

Neste último ano o tal instinto da maternidade aflorou valendo e o plano funcionou. Engravidei rapidinho e cá estou eu, barrigudinha e animada, quase corajosa a ponto de dizer que já não tenho tanto medo do parto. Ai... aqui entra um desabafo: morro, sempre morri, tenho pavoooor de partos. Cena de terror na TV pra mim sempre foi a transmissão de um parto ou aquelas personagens de novela que faziam respiração cachorrinho e gemiam mais que tudo na bendita hora. Continuo com receio, porém, acredito que o pânico já diminuiu. Deve ser o tal 'não tem remédio, remediado está!'. Antes, de tanto medo, eu dizia que não teria filhos biológicos, somente adotivos... Continuo sonhando com o adotivo! Está na minha listinha de sonhos para a década que inicio amanhã.

Os três casais
Enfim... Aquietei-me! Cansei das farras e até do cigarro que adotei na última década e achei que jamais conseguiria abandonar. Encontrei finalmente um novo e grande amor! Ganhei uma nova família e um marido. Ao João Alcione (meu Joãopiro), responsável pela minha maior metamorfose, toda a minha gratidão e meu imenso carinho. Para ele guardei o amor e por ele reorganizei tudo...  entro nesta nova década com uma nova vida, embasada em tudo o que fui e fiz nesses 10 anos, repleta de novos e velhos ideais. 

Este reinício acontece aqui dentro de mim também, com a vida que estou gerando. Meu pequeno João Augusto, que ainda tem apenas 17 semanas de existência, 100 gramas e um coração que pulsa muito forte no meu útero, você é meu auge de felicidade! E a partir da sua chegada, a década dos meus trinta anos está profundamente marcada por um sentimento que até então eu só ouvia falar, mas não conseguia entender: o amor de mãe!



João, seus pais, minha amada mãe
Já sinto o grande peso da responsabilidade que isso implica a mim. E por enquanto, o plano maior é ser uma boa mãe. Representar segurança, carinho e conforto para você, meu querido filho! Os outros planos são complementares. Seguirei tentando ser uma boa esposa, uma boa profissional, uma filha amada, uma amiga fiel, uma tia querida... Mas principalmente: concentrarei minhas energias para ser a mãe que meu filho merece ter e um exemplo que ele poderá seguir.



Por hoje, só me resta agradecer à intensa juventude e saúde que tive a meu dispor na minha década dos 20. Por amanhã, rezar e pedir que a vida continue assim, me conduzindo sempre à felicidade e me permitindo aprender sempre mais rapidamente com meus erros. A você que faz parte desta minha década, meu muito obrigada!

Um beijo, nos vemos nos 30!

Da antes moça, agora mulher privilegiada pela sorte de ser esposa e mãe... Manu.

:-)

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Casório, lua de mel, 15 semanas...

Aqui, 14 semanas

O quadril está enorme!
Mais de um mês sem aparecer por aqui e tô morrendo de saudade de relatar as minúcias desta fase tão linda na minha vida... Funciona como um diário, só que aberto aos amigos. Acabei de reler os últimos registros e relembrar os sintomas do começo. Agora tudo está bem diferente!


15ª semana de gestação!!! Está passando tão rápido. E aconteceram tantas coisas neste último mês... Bom, lembram que saí de férias né, com o plano de assistir novela e dormir à tarde. Quer saber? Que nada!!! Foram semanas super movimentadas, atribuladas até, com tantas providências para o casamento. Fiquei na casa da mãe esse tempo todo e com as meninas (Day e Rapha) saí bastante atrás de coisas para a festa. Quase não tive parada.

E finalmente chegou o grande dia. Mamãe e papai agora são oficialmente casados, abençoados pelo padre, por todos os padrinhos e convidados e principalmente por Deus. A festa foi maravilhosa, como já relatei no blog dos casais. Ah e eu coube no vestido! auhauahuaa. Ficou apertado, mas entrou!


O padre abençoou nosso filhinho também
Como grávida, fui uma noiva comportada em relação à comida e à bebida, mas confesso que não consegui repousar, rerere. Simplesmente desbaratinei e dancei muito, pulei muito, a noite inteirinha, de salto alto, descalça... Pulei tanto que até caí. Levei um pacotaço. Caí de joelhos e a sorte é que a armação do vestido aliviou. Na hora não doeu e como em todo bom fiasco, levantei dando risada. O hematoma no joelho tá sumindo agora, mas o João Augusto não deve ter ligado muito.

Dancei a noite todinha!
Então... a grande novidade do período é que já sabemos: é um gurizinho!!! e João Augusto será seu nome. Na véspera do casamento fiz o ultrassom morfológico (pena que não tenho as fotos aqui, coloco na próxima) e felizmente está tuuuuudo bem com nosso bebê. O doc mediu tudo, cabecinha, barriguinha, ossos das pernas, dos braços e até do nariz. Aparentente, tudo na mais perfeita ordem.

Inclusive no palco... rere
Fui elogiada de novo, porque mais uma vez não aumentei de peso. Os mesmos 59,4 quilos da segunda consulta! Acredito, no entanto, que nestas duas últimas semanas engordei mais um quilinho. É incrível... outro dia dormi meio gordinha e acordei beeeem grávida! rerere. A barriga simplesmente se transforma durante a noite e desponta na manhã como se fosse a coisa mais natural do mundo ela aparecer ali do nada. rerere. Ei, Manu, é a coisa mais natural do mundo! Tá bom, tá bom.

Ela sobe, ela desce, ela dá uma virada...
O exame foi tão gostoso. Eu e João passamos mais de uma hora no consultório vendo detalhadamente cada movimentinho do nosso filho. Ele já estava grandão, com 12 centímetros. Praticamente cabe na palma da mão. Agora então, duas semanas depois, ele já deve estar bem maior. O próximo ultrassom será dia 28, quando teremos a confirmação de que é piazinho. Mas eu já não tenho mais dúvidas. Lembra que eu pressentia desde o começo? Minha intuição estava certa!!! Uma vez na vida! rere.

Nada a reclamar
Depois teve a lua de mel. Viajamos de avião, o que me deixou um pouquinho apreensiva, já que há tantos burburinhos sobre perigos de voar durante a gravidez. Mas fiquei mais tranquila depois de ler bastante sobre o assunto. Em Salvador, a semana foi cansativa também. Passeamos tanto, andamos tanto, que minhas pernas doeram toooodos os dias. Mas valeu a pena! E acho que meu Augustinho não reclamou, pelo menos não senti represálias... :-)

Cresce da noite para o dia!
Então... agora que o terceiro mês já passou, a sensação é de segurança. Aquele medo que eu sentia no comecinho, de que o bebê fosse escapar, passou! Ao contrário do que pensava, apesar de ter uma barriguinha bem maior, tenho mais confiança para me movimentar por aí. Estou ansiosa agora para senti-lo mexer. Dizem que parece com um movimento de asas de borboleta. Hein? Seja como for, quero sentir...

Quanto aos primeiros sintomas, a maioria desapareceu. Depois de ter crises intensas de choro por qualquer bobagem, de achar que o mundo ia se acabar porque João falou mais alto comigo ou por não dormir à noite imaginando que o clube ia pegar fogo no dia do casamento (quase convidei os bombeiros pra festa, juro!), finalmente tenho tido mais paz de espírito. É que era tudo misturado né? A ansiedade pelo casório misturada com uma explosão de hormônios no meu corpo afetando minha sensibilidade... Tenho a impressão de que agora estou com o humor mais estável. Assim espero, né João?


Toda pose é assim agora
A chegada do segundo trimestre também me trouxe mais conforto. Achei que só aumentaria minha vontade de fazer xixi, especialmente à noite, mas não. Tenho dormido por sete horas consecutivas sem levantar para ir ao banheiro \o/. Isso é uma conquista, pode acreditar! É tão chato interromper o sono para fazer dois ml de xixi. A prisão de ventre também sumiu depois que parei de tomar o complemento de ferro. Agora estou tomando Combiron Fólico, que concentra ferro e ácido fólico. Ainda não pude avaliar o resultado. Os gases dão tréguas, mas volta e meia dão o 'ar' da graça, com o perdão do infame trocadilho.

A dor nos seios também sumiu. Não sei se me acostumei com o tamanho deles, mas chego a pensar que não estão mais tão inchados. A pressão continua em 9 por 6 mas aquela sonolência chata da tarde passou. Vai ver porque estou dormindo melhor. Sinto-me beeeeem mais disposta e animada para trabalhar, sair, conversar. É uma fase muito boa.

Enjoo nunca tive né? E a fome é estável. Não é mais aquela loucura do primeiro mês (acho que era por ter parado de fumar mesmo), mas continua sendo uma delícia comer. Tudo tem um sabor mais especial agora.

Mais disposta que nunca!
A única coisinha chata é que com o calor, no final do dia meus pés estão um pouquinho inchados. Aos poucos estou descendo dos saltos. Ainda não os abandonei totalmente... Mas conforme os pés doem, vou trocando. Ah e as roupas também não servem mais. Quase nenhuma calça de antigamente entra em mim. Em compensação, meu maridinho me deu roupitchas novas, vestidinhos folgadinhos, e eu comprei uma bermudinha número 40 que vai servir ainda um bom tempo.


Algumas vezes sinto saudades do meu antigo corpo sabe? Não que fosse assim um corpão, mas quando olho uma foto no porta-retrato da sala, sei lá, é estranho... uma sensação de que não sou mais a mesma e um medinho de nunca mais ser daquele jeito. Os mamilos estão mais escuros e aquela linha negra que aparece verticalmente na barriga das grávidas, lembra? Já começou a aparecer em mim. Não que eu goste, mas que seja bem-vinda então! rere.


Por outro lado, à medida que a barriga aumenta, gosto do meu corpo mais e mais. Por enquanto! riririri. A barriga ficando mais pontuda, o umbigo esticando... adoro olhar no espelho. Sei que isso é só uma fase e que daqui a pouco a pançona vai ser tão grandona que terei saudades de agora, mas tudo bem...

Pôr as mãos na barriga virou vício
Outra novidade é que voltei a trabalhar, estou de novo em Tibagi e agora tenho mais um companheirinho em casa. Casei com direito a marido, filho e cachorro mesmo! O Kiko, meu cocker de quase 11 anos, voltou a morar comigo depois de longa temporada na casa da mãe. Ele está bem doentinho e precisa de cuidados especiais. A presença dele lá em casa me enche de alegria, porque ele é um doce. Super comportadinho e carinhoso. O problema é saber que ele tem pouco tempo de vida... probleminha sério de coração. Mas vamos curtir um ao outro durante esse tempo que nos resta numa linda história de despedida.

Bom, ainda tem muita coisa para compartilhar. Hoje foi um apanhadão de cinco semanas - tempo em que aconteceu taaaaaanta coisa que seriam necessárias mais umas 20 páginas para descrever. De todo modo, fica o registro: estamos bem! estamos felizes!!!

O vestido entrou... apertado, mas entrou!
Em todos os meus sonhos, em todas as vezes que planejei coisas boas para a minha vida, em que vislumbrei um futuro lindo... nunca imaginei que seria tão bom assim! Pense comigo: tenho um marido, casei numa festa linda juntamente com meus irmãos, estou grávida de um menino que desde já me traz paz e alegria...

Tudo está maravilhoso e perfeito! Muito mais do que eu poderia desejar. Só resta agradecer: OBRIGADA PAPAI DO CÉU! 

Um beijo pra você que tem aparecido por aqui. Obrigada por fazer parte disso tudo.

Manu

Vídeo que a sobrinha Maria Eduarda (Dudinha linda) me dedicou. Eu adoreeeei! "Pula a parte do parto porque é cedo demais para se preocupar. E vai direto para os cuidados com o bebê"... rerere... bem isso!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...