Páginas

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Acabou a licença-maternidade. E agora?

Voltar ou não? Eis a questão!
Requerimento de exoneração. Ele estava nos meus planos desde que me descobri grávida, mas parecia tão distante... Até que chegou o momento de pedir as contas e tornar definitiva minha saída do trabalho. Acabo de enviar a solicitação para o RH da Prefeitura de Tibagi. Já recebi os merecidos seis meses de licença-maternidade e estou em férias até 1° de outubro. Depois disso serei oficialmente uma mãe desempregada!

Não precisei pensar muito para tomar esta decisão, pois, pouco antes do João nascer, mudei para Ponta Grossa e sabia que seria difícil voltar. Mesmo assim o sentimento de despedida mexe um pouco comigo. Bateu saudade daquela rotina, das coisas que eu fazia, da diversão naquele palácio e principalmente das pessoas com quem dividia meu expediente e minhas horas de folga. Saudade dos amigos, das festinhas e até do arroio onde virava e e mexia, estava eu me refrescando. Na nova vida não tem arroio, não tem festinha, não tem tempo de sobra e são poucos os amigos. Só que tem João Augusto lindo, gorducho e sorridente aprendendo tudo e me fazendo babar de alegria...

A equipe que me faz tanta falta

E por ele mesmo é que bate ainda uma certa insegurança quanto ao futuro. Não quero trabalhar já. Para mim, este é um momento único e pretendo, se puder, ser mãe em tempo integral. Felizmente tenho reservas financeiras para até o final do ano e, se faltasse, poderia contar com o João pai para sustentar sozinho a casa por um tempinho. Mas também fico preocupada em como será o retorno, quando chegar a hora.

Pensei em voltar ao trabalho só em 2013 (isto é, daqui a pouco mais de três meses apenas), mas há neste momento uma proposta bastante interessante para fazer meio período numa instituição bacana, onde teria certa liberdade para conciliar horários, caso precise. O salário é compatível com o que o 'mercado' está oferecendo no momento e se eu perder a chance posso não tê-la ano que vem. É um desafio bacana, com uma equipe de gente boa que já conheço. Teria de começar agora, em outubro.

Andei fazendo também um teste numa emissora de TV aqui da cidade para apresentadora de um programa de variedades. Recebi a ligação por indicação de uma amiga e senti vontade de conhecer a oferta de perto. Foi divertido. Me senti a Ana Maria Braga do Socavão com ponto na orelha e tal, rara. Nem tive resposta se seria aprovada ou não, mas de toda forma a vaga também é para meio período e a partir de outubro.

Mas e aí? Joãozinho está só no peito por enquanto. Precisaria bolar toda uma estratégia às pressas para alimentá-lo com complementos ou papinhas e ainda confiar boa parte do seu desenvolvimento a uma escolinha.

Não conheço nem tenho intimidade com alguém confiável o suficiente para ser babá e acho que nem toparia essa ideia mesmo que confiasse... Sou medrosa demais e não gosto da história de outra pessoa ficar na minha casa tomando conta do meu bebê. Penso que pode ser melhor submeter esta responsabilidade a pessoas que, supostamente, são especialistas em crianças numa instituição de ensino projetada para recebê-lo. Será que estou certa? O que você acha?

Bom, deixar com as avós nem pensar. Minha mãe mora em outra cidade e minha sogra é bastante atarefada, não teria condições. Elas já criaram os filhos delas né? Não posso querer deixá-las com esta enorme responsabilidade a esta altura da vida. Veja bem... não sou contra! Admito que há muitos casos em que as avós são a melhor proteção que bebês podem ter. Mas pra gente ficaria bem fora de mão, porque além de tudo a sogra mora no outro canto da cidade. Enfim...

Ainda na relação de prós e contras eu teria o custo disso tudo. Em casa, para manter a coisa em ordem, precisaria de uma empregada pelo menos de meio período nuns quatro dias da semana. Pesquisei pelo bairro e só consigo uma assim por no mínimo uns R$ 500 mais despesas da carteira assinada. Quanto à escolinha, os preços para maternal variam bastante, mas a que me indicaram, que inclusive tem câmeras para monitoramento através da internet (gostei disso) está por volta de R$ 400 (e não é a mais cara), além de material, uniforme e tudo mais.

Tem ainda a despesa com combustível para ir e vir do trabalho todo dia, mais refeições fora... E assim vai-se boa parte do salário. Será que compensaria? Até agora não fiquei longe do meu filho nem por meia hora. Não que eu ache absolutamente necessário ficar com ele o tempo todo, mas não tive necessidade nem sequer oportunidade de desgrudar, rere. Tenho certeza de que seria beeeem difícil deixá-lo numa escolinha já. :-(

Outro dia vi uma amiga contar no face que deixou sua bebê de três meses com a avó, em outra cidade, por uma semana para viajar com o marido. Depois ela voltaria ao trabalho. Admiro a coragem dela! Sei que não deve ter sido moleza, mas ela enfrentou e pronto. E eu? Quando é que terei esta força? Se é que terei... rerere.

Fico pensando nas artes que ele aprende todo dia, em como eu perderia de vibrar junto dele a cada novidade. E nesta fase ele muda tanto de uma semana para a outra. Ontem ele disse "dá" e eu achei o máximo. Há alguns dias ele começou a rolar na cama, para os dois lados, e fiquei toda empolgada. Agora ele puxa minha blusa e meu sutiã de tanta pressa de mamar e foi um barato quando ele fez isso pela primeira vez. Logo ele vai dizer as primeiras palavrinhas, aprender a engatinhar e a sentar sozinho. E se eu aceitar voltar ao trabalho, não estarei lá! Viu só que drama!? rarara.

E pensar que a maioria das mulheres precisa desgrudar de seus filhos no quarto mês! Poxa... no serviço público a licença já aumentou para seis meses, mas acho que deveria ser de dois anos pelo menos! rara.

Apesar de todo esse meu dramalhão, sinto que voltar ao trabalho pode ser bom pra mim. Fiquei onze anos em atividade, super atividade diga-se de passagem, e esta parada me fez ver o quanto gosto de trabalhar. Embora eu ame ser mãe e esteja vivendo um momento divino ao lado do meu pequeno, o lado mulher tá começando a bater à porta.

Já li outros tantos posts sobre esse mesmo assunto, já ouvi tantas vezes este mesmo questionamento das amigas e agora estou eu aqui, com a mesma dúvida: voltar ao trabalho ou não? Vendo pelo lado positivo, que bom que eu tenho essa escolha, mesmo que por pouco tempo. Né?

Diga aí o que você pensa... Como foi com você? E volte logo porque o próximo post é sobre as peraltices do meu rapaz, com vídeo gargalhante e tudo mais!

Beijinho.

Ser mãe: o melhor trabalho de todos!

Fotos de Tibagi, pra matar saudade. Acreditem... tudo isso aí era a trabalho! rere










12 comentários:

  1. Excelente decisão! Eu também desde agora ficarei em casa até final do ano que vem pois a loja onde trabalhava fechou e minha chefe me paga em casa a partir do próximo mês, porque não pode me mandar embora. Tenho estabilidade até julho e vou pegar com certeza o seguro. Estou feliz, rindo a toa, cuidando dos preparativos pra chegada da minha princesa. Depois visite meu blog.
    http://alinemamae2012.blogspot.com Já te sigo aqui!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Excelente decisão! Eu também desde agora ficarei em casa até final do ano que vem pois a loja onde trabalhava fechou e minha chefe me paga em casa a partir do próximo mês, porque não pode me mandar embora. Tenho estabilidade até julho e vou pegar com certeza o seguro. Estou feliz, rindo a toa, cuidando dos preparativos pra chegada da minha princesa. Depois visite meu blog.
    http://alinemamae2012.blogspot.com Já te sigo aqui!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Voltei ao trabalho quando meu filho estava com 10 meses, mas meio periodo na escola.mas a partir de agosto estou trabalho o dia todo , me da uma sensação ruim de deixar ele o dia todo.

    ResponderExcluir
  4. Susieme G. de Quadros13 de setembro de 2012 20:19

    Nossa Emanuelle sei bem o q sente... eu tbém estou nessa situação.. e minha cabeça ferve em pensar q tenho q voltar a trabalhar mesmo q isso só ocorra no início do ano q vem, pois, pedi minha licença remunerada e não preciso voltar já... mas esse assunto me tira até o sono, mesmo sabendo q vai demorar um pouco e q o Pedro Guilherme ficará em ótimas mãos, com meus pais q darão muito amor e carinho meu coração fica apertado... mas fazer o q né temos q trabalhar... fica minha solidariedade a todas nós mães q tbém precisam trabalhar... abços

    ResponderExcluir
  5. Manu, te falo de carteirinha! Tb sou jornalista e trabalhava num portal quando engravidei. Quando voltei de licença, quase surtei. A cada dia eu tinha mais certeza de que não queria aquilo, trabalhar como louca e deixar de ficar com a Nina.
    Eu, particularmente, não me vejo só em casa, mas acabei optando por um trabalho beeem mais maleável e tranquilo, menos horas por dia... e valeu muito a pena.
    Tenha calma, pense com o coração e tudo se acerta.
    Um beijo grande
    Carol
    Nina Ensina
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
  6. Eu cheguei a trabalhar fora com filhos mas, morando em São Paulo e tendo que manter uma estrutura por lá não compensava. Optei pelo home office. Entre erros e acertos, estou satisfeita.
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
  7. Ai Manu, passei por todo esse dilema também, perdi o sono com todos esses pesares... dificil né?! Acabei ficando com em casa com Alice até 1 ano, sem pressa. Até que naturalmente me apareceu uma otima proposta, com as condições que eu queria e aí, pro bem de todos (psicologicamente e financeiramente) decidi aceitar. Meu coração ficava todos os dias aos pedaços, na porta do berçário, até que hoje, apos 3 meses, Alice não dá mais nen tchau pra mim! Ama o berçário, ama os amiguinhos e as tias. Senti que foi um pouco egoismo meu querer privar ela dessa convivência por mais tempo. Hoje tô tranquila, trabalho tranquila e ela está super feliz. ;)Tenho certeza que decidirá a coisa certa. Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Quando eu consegui ser mãe eu parei de trabalhar fora e fui muito tranquila com esta decisÃo até quem no começo deste ano recebi uma proposta que me deixou bem tentada.
    Eu comecei a pesar tudo, onde deixar as crianças, qto custaria, como seria a rotina e no fim optei por continuar em casa pq eu sabia que não ficaria feliz se saísse.
    Mas, eu acho que é isto q vc precisa fazer, pesar tudo e deicidir com segurança oq é melhor pra vcs!
    Se ir trabalhar vai te deixar mais feliz então, acho super válido! Uma mãe feliz é uma mãe melhor!
    Mas, se vc saindo de casa vai se sentir super culpada e não render nem em nem em outro trabalho, então melhor ficar em casa, né?
    Tenho certeza que vc vai tomar a melhor decisão pra vcs!! Se precisar só gritar! ;)

    Bjo!

    Loreta #amigacomenta;)
    @bagagemdemae

    ResponderExcluir
  9. Manu! sou suspeita pra dar conselhos! larguei tudo pra viver a maternidade. Sem arrependimentos! Amoooo demais poder estar perto em cada descoberta...e agradeço ao "maridon" todos os dias, por essa oportunidade! bjsss
    Tamy #amigacomenta

    ResponderExcluir
  10. Manu. Eu não tenho perfil para ser só mãe. Apesar de todas as delícias tenho necessidade de produzir. Mas, voltei aos poucos. Negociei trabalho remoto e consegui manter assim pelo primeiro ano. Então, acompanhei tudinho de Joaquim. Depois do primeiro ano voltei aos pouquinhos. Pelo que vi você tem 2 possibilidades de meio período. Acho super válido. Mas, só você vai tomar a decisão. É algo muito particular e envolve muitos, muitos custos. Cabeça tranquila que a decisão acontece. Agora,somos corajosas pelo sim ou pelo não da volta. Bjs Fabi (Mulher e Mãe) #amigacomenta

    ResponderExcluir
  11. Comigo nunca foi uma opção parar de trabalhar, parei mais em função da minha doença do que pelo nascimento das crianças, talvez por isso me sinta sempre muito frustrada com relação à isso.
    Acho importante que essa descisão seja pensada e amadurecida, e então não trará arrependimentos.

    Boa sorte pra você!

    Bjs
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
  12. Oi Manu,
    Essa foi a fase mais difícil para mim. Mas acabei conseguindo adaptar as coisas, priorizar e trabalhar sendo presente na vida das minhas filhas.
    Mas sinceramente até hoje eume questiono muito sobre esse assunto.
    Uma ótima semana para vocês
    Beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com/
    #amigacomenta

    ResponderExcluir

Comenta aí que a mamãe fica faceira! E volte sempre, a casa é sua! :-) Ou me mande um e-mail: emanoellew@gmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...