Páginas

sexta-feira, 30 de março de 2012

40ª semana

Com a camisa do papai, já que minhas roupas não servem mais
Contrações? Não.
Dor nas costas? As de sempre.
Dilatação? Nadica de nada.
Desprendimento do tampão mucoso? Nenhum sinal.
Rompimento da bolsa? Definitivamente não.
Barriga baixa? Serve barriga enorme?
Diminuição dos movimentos do bebê? Ele anda treinando Jiu-Jitsu, na verdade.
Explosão de energia para deixar tudo pronto para o bebê? A preguiça é que aumentou, junto com o peso e a sensação de indigestão. 

Ou seja... Joãozinho ainda está firme na paçoca e nada indica que o tão sonhado parto normal acontecerá hoje. Faltam só três diazinhos para a cesária, mas a esperança é que ele se entusiasme com a troca de lua (hoje chega a crescente) e apareça por aqui pra conhecer a mamãe né? Ok ok... Chega de tanta ansiedade. Tá pertinho e não custa esperar mais um pouco.

O bom é que o final de semana está aí e sábados e domingos costumam passar mais rápido com a presença do papai em casa. Hoje é, portanto, o último dia da minha vida solitária (ooooh tadinha! rerere). Não é reclamação não. Aprendi a conviver com o silêncio. Nos últimos seis anos morei a maior parte do tempo sozinha e mesmo depois de casada, o convívio com o marido foi a distância. Já na casa nova, em PG, nesta minha licença-maternidade que hoje completa um mês, passo também a maior parte do tempo desacompanhada. Isso não é ruim não. Acabei me acostumando a administrar o tempo e aproveitar meus momentos sem sentir solidão. No entanto isso vai acabar. A partir da próxima segunda terei ao meu lado, 24 horas por dia, um bebê que em tudo dependerá de mim.

Já viu que a mudança é radical né? A transformação que está prestes a acontecer é gigantesca, a maior da minha vida. E não vejo a hora de vivê-la. Portanto, hoje me despeço do silêncio e do isolamento total para dar entrada em uma nova etapa, uma nova fase. Sinto-me preparada e ao mesmo tempo insegura... Você já sabe: aqueles receios de não saber como agir. É na prática que isso vai passar.

Enquanto espero (mais um pouquinho), continuo lendo muito para me preparar para o parto e mexendo nas coisinhas do Joãozinho. Ontem lavei tooooodas as toalhinhas e outras roupinhas que vieram por último e passei tudo. Revisei a malinha da maternidade e estou deixando para arrumar a minha no domingo (ou na hora que tiver de sair), já que a maioria das coisas que entram nela são de uso diário.

A 40ª semana (difícil acreditar que viemos tão longe) está correndo bem. Meu bebê ainda se mexe bastantão e aparentemente ainda não encaixou. A preocupação dos últimos dias tem sido mesmo quanto ao plano de saúde. Fiz Unimed no ano passado justamente planejando este momento, o do parto. E adivinhe aí quando é que meu plano vence? Dia 2 de abril. Claro que renovei, paguei tudo certinho e conto com ele nesse momento, entretanto o novo cartão (solicitei há um mês) não chegou ainda. Liguei no SAC e me informaram que ele já foi remetido por correio... Mas não chegou, assim como os boletos não têm chegado, nem correspondência alguma!

Alternativa? Ligar para os Correios e descobrir que não há serviço postal na minha rua. Simples assim. Os Correios não têm efetivo suficiente para atender a rua em que moro. Isso porque é uma rua super antiga (eu já passava por aqui há mais de 15 anos, para ir à München Feest), com infraestrutura urbana, num bairro estruturado... Ou seja... Não entendi por que cargas d'água os Correios não podem chegar à minha casa. Foi assim que descobri porque as contas do banco não chegam e a caixinha ali da grade está sempre vazia. Senti falta até das malas-diretas.

E agora? Um novo cartão leva sete dias para ficar pronto. "Leve o comprovante do pagamento da última fatura junto do cartão, senhora", foi o que me orientou a atendente da Unimed. Eu detesto arriscar! Vai que a portaria do Hospital me barra e impede que meu parto seja realizado porque o bendito cartão não veio? Estou sinceramente com medo e não é justo né? Só me resta tentar isso aí mesmo e ver no que dá. Como diz o João pai, se não me internarem a "gente chama a imprensa e mete sete 'divogado' no Hospital, nos Correios e na Unimed", rererere. Ah, e volta pra Ponta Grossa tentar o parto no HGU (Hospital Geral Unimed).  

O que vale é Joãozinho nascer gorducho, cabeludo e lindo na próxima segunda. Ai, ai... 

Agora vou tratar de fazer um bolo pra esperar os padrinhos Robson e Rapha que vêm nos visitar hoje. Outras missões para o final de semana serão fazer as unhas, pintando só com base porque na maternidade não são permitidas unhas coloridas (eles monitoram alguns sinais vitais pela cor debaixo da unha na hora do parto) e a depilação, antes que venham as enfermeiras com a giletona me deixar pipocada de alergia.

Duas dicas do dia são mais uma vez da querida Rafa Kuhnen:

- Promoção Itaú Cultural - Leia para uma criança: Inscreva-se para receber gratuitamente em casa coleção de livros infantis (coloquei o endereço da mãe, porque né...)

- Gravar CDs personalizados para seu filho, com nome dele na capa e tudo, na loja virtual Gravando.

Outra dica é de um espaço virtual que descobri nesta semana, da Caroline Olinda, na Gazeta do Povo. Ela também relata o crescimento do seu filho José Fernando no blog Diário de Mãe

Separei também algumas notícias curiosas envolvendo este mundão novo de gestante/mãe/bebê:

Essa história me emocionou muito. Que atitude mais linda a dessa mulher viu? Sabendo que o pai não teria muito tempo de vida, ela deu a ele esta última grande emoção. 

Outra linda história de amor envolvendo um bebê. A ciência a serviço da vida.

Já faz um tempinho e você deve ter visto essa notícia na TV, mesmo assim achei bacana registrar aqui. Super justo que o papai tenha esse direito, especialmente nesse caso em que a mãe não está presente. João pai, se algo acontecer, já sabe... lute por isso aí!

- Homem grávido dá a luz na Inglaterra
Ã? Como assim? Eu falei que eram notícias curiosas. rerere. E este já é o quinto caso.

Oportunide de lembrar o quanto uma gestante pode ficar linda. Ao mesmo tempo que me acho balofona, às vezes me vejo assim, deslumbrante.

Não precisa pedir duas vezes, né?

Os primeiros meses de vida de quatro adoráveis crianças de diferentes partes do mundo.

Por fim quero registrar que hoje é um dia super especial, porque meu pai faz aniversário!

Parabéns pai!
 A ele que me deu a vida, minha imensa gratidão! Obrigada por ser meu exemplo, pai, por ter me mostrado que perseverar é o que importa, que bom humor é remédio pra tudo, que criatividade e coragem são essenciais em qualquer atividade, que humildade a gente tem que desenvolver, que o amor às vezes dói, mas que também cura, que a vida pode ser bem mais do que o mundinho em que a gente vive.

Seu Valdemar Wisnievski faz 68 anos hoje e merece toda a felicidade do mundo, muita saúde, muito mais energia do que já tem (e é bastante). Tenho a maior admiração pelo Polaco do Ônibus, por sua audácia de nos fazer vir ao mundo naquele então fim de mundo e ainda assim nos proporcionar uma infância maravilhosa, sem que nada nunca faltasse.

Ao conhecer tuas infinitas histórias, pai, admiro cada vez mais a forma destemida como encarou a vida e levo comigo o otimismo que faz teus sonhos sempre irem além. Feliz Aniversário papis! Te amo muito. Queria que Joãozinho viesse hoje para ser teu presente, mas acho que ele vai deixar este dia só pra você, viu vovô!?


E para encerrar, mais fotinhas dos presentinhos que esperam por João Augusto.

Conjunto lindo de banho: presente da tia Mimi

Da tia Rapha

Da vovó Raquel e tia Dani

Banheira da tia Day, suporte da tia Rapha e ursinho de lavar da tia Valquíria

Cobertor fofíssimo da tia Valquíria

Vovó Raquel deu as malinhas que já estão prontas e revisadas
Beijos e bom final de semana! Provavelmente meu próximo post já tenha fotos de um certo bebezinho preguiçoso... Torçam e rezem por nós, amores! 

Manu

terça-feira, 27 de março de 2012

2 de abril: seu último prazo, meu 'bichinho-piguiça'

Presentinho da tia Leri

Ei... É impressão minha ou o tempo parou mesmo? Bem que dizem que gravidez dura oito meses e um século, ou 36 semanas e uma eternidade... Estes últimos dias de espera parecem intermináveis. E meu Joãozinho não quer saber de sair do quentinho. Deve ter ouvido a previsão do tempo e resolveu ficar lá dentro mesmo, onde não tem frio nem chuva.

Lá se vão 39 semanas e nada de contrações, dilatação, tampão mucoso, bolsa rompida! Só o barrigão mexendo de um lado pro outro, o peso aumentando e a ansiedade me fazendo subir pelas paredes. Bem, pelo menos agora posso fazer contagem regressiva. Ontem tivemos consulta e meu obstetra concorda em interromper a boa vida intrauterina do Joãozinho na quadragésima semana. Marcamos cesária para dia 2 de abril, próxima segunda-feira.

Eu ainda acho que ele pode vir a qualquer momento, que de uma hora para a outra os sinais vão aparecer e correremos todos felizes para a maternidade para um lindo e natural (indolor - eu posso sonhar) parto normal. Mas se isso não acontecer, às 20 horas da próxima segunda meu filhinho será trazido à luz mesmo contra sua vontadinha. 



Dá para notar os contornos do rosto
131 batimentos por minuto

Isso me trouxe um pouco mais de tranquilidade porque acaba aquela sensação de espera sem fim. O "até quando" já pode ser substituído por um "em no máximo sete dias" e a assim angústia fica menor. Mas também não estou desesperada para que ele nasça logo. Não se trata disso. É só uma vontadinha de que o tempo passe rapidão para que o pensamento pare de circular em torno dessa espera. Quero mais é que meu bebê venha ao mundo no seu tempo, na sua hora, conforme sua vontade.

A excelente notícia da última consulta é que João Augusto engordou (ufa)! Já tem 3.081 kg e pode nascer bem rechonchudinho se ficar aqui mais uma semana. Fico bem feliz por isso porque os bebês precisam dessa camadinha de gordura nas primeiras semanas. Isso pode evitar que ele tenha de ficar numa encubadora, por exemplo.

Então, se nosso piazinho não resolver sair por conta, na próxima segunda almoço as 11 horas da manhã e fico em jejum pelo resto do dia para me preparar para o procedimento cirúrgico. Serei internada no final da tarde e o parto será feito no início da noite. Assim, mamãe e bebê terão um bom tempo de descanso até chegarem as visitas. A alta é programada para 36 horas após, portanto na quarta-feira já estaremos em casa para iniciar a jornada mais incrível de nossas vidas: cuidar de um ser humano até que ele tenha independência suficiente para orientar sua própria vida (tipo lá pelos 35 anos né?).

Vovó Sônia desta feita foi junto à consulta que teve ultrassom. Mas a esta altura nosso neném já está tão grandão que o ultra não mostra muita coisa, apenas o barrigão, a testinha protuberante, a coluna, os rinzinhos, o coraçãozinho a 131 batimentos por minuto. Ele inteiro mesmo já não pode mais ser visto. Só suas partezinhas. O importante é que ele está bem. Há líquido amniótico, tudo aparenta estar normal lá por dentro. Passar da 40ª semana já me preocuparia, porque o líquido fica turvo com mecônio (o cocozinho dele) e com as partículas que recobriam sua pele e começam agora a se soltar.

Tivemos também o exame de toque (ruim pra caramba). O canal ainda está longo e sem dilatação. "Ele ainda não se insinuou. A maioria já teria se insinuado, mas seu bebê ainda está alto", disse o doutor, ressaltando que é absolutamente normal e que nosso filho está se desenvolvendo no tempo certo, embora não tenha encaixado ainda.

Senhor do céu! Aí me pergunto... onde foi que errei nas contas? Sim, porque nos meus cálculos (errados), Joãozinho já teria nascido há uma semana, pelo menos. E poderia, afinal muitos nascem de 38 semanas. Todas as gestantes que acompanhei com o mesmo tempo que eu já estão com seus filhos nos braços. Até a chata da Luana Piovani ganhou seu Dom (ontem) e eu nada... rererere.

O certo é que este menino aqui não tá com pressa e nem liga se a mãe dele é afoita. Ele já mostrou que puxou ao pai e que gosta mesmo é de fazer preguicinha. Fico imaginando os dois, daqui a uns anos, esparramados no sofá da sala assistindo aos cinco minutos iniciais dos filmes de 'Joãopiro' (era assim que meu marido se referia a filmes de terror quando criança) e dormindo largados o resto do tempo. Na verdade ele deve estar chupando o dedinho lá dentro e pensando calmamente se realmente precisa sair daquele mundinho cor-de-rosa e aconchegante que é a mãe dele (que amor).


Onde está a fé? 
 
Por outro lado, a demora da chegada de Joãozinho foi útil para que desse tempo de aliviar uma enorme preocupação que surgiu na última semana. Eu fiz interpretações erradas sobre coisas que me disseram e paguei um preço alto por isso: o preço do medo, da preocupação, do sofrimento por antecedência. Sou católica desde que nasci, até fui catequista, mas nos últimos seis anos venho estudando o espiritismo e acredito em muita coisa da doutrina. Porém, nunca me entreguei oficialmente a esta fé. Mas João Alcione tem recebido alguns chamados importantes nos últimos tempos e agora resolveu dedicar-se aos estudos do espiritismo.

A convite do cardiologista do João, participamos na última quinta-feira de um Encontro Fraterno no Centro André Luiz. Foi muito bacana. Todo aquele clima de paz que envolve a gente quando chega lá, o acolhimento das pessoas, as palavras de amor... tudo me fez muito bem. No entanto, durante nossa consulta, João foi convocado através de uma médium a se preparar melhor para cuidar do nosso filho.

Foi aí que eu comecei a ficar aflita. Para mim, que já estava aos prantos de emoção, a médium disse que estou pronta. "A Emanoelle está preparada, foi intuitivamente orientada por seu anjo guardião e sabe que o filho de vocês é especial. Ela já sabe qual será sua missão. O João precisa se desenvolver e se preparar para ajudar nessa tarefa". Foi mais ou menos isso que nos disse naquele encontro. E eu, que sou ainda muito leiga no assunto, fiquei encafifada. Que história é essa de que nosso filho é especial? Como assim ele vai precisar da gente e de um dom a ser desenvolvido pelo pai? Pirei legal... Imaginei as piores coisas e prefiro nem comentar.

É claro, óbvio, que se este 'especial' tiver o sentido hoje aplicado à palavra para designar crianças com deficiência, com limitações ou problemas de saúde, vou amá-lo na mesma intensidade e não descansarei um só minuto até que tenha feito tudo para dar-lhe as melhores oportunidades de se desenvolver. Jamais questionarei a vida por me trazer um filho especial e me sinto realmente preparada para enfrentar junto dele os desafios que isso possa implicar. Mas, neste momento em que estou prestes a parir, esta é uma informação que me traz sentimentos difíceis de explicar. Aumentou minha ansiedade em ver logo meu filho e saber afinal o que eles quiseram me dizer.

Foi assim que passei o dia todo na sexta... com receios, com insegurança, chorona e cheia de preocupação. Até que João voltou do trabalho e ligou para o cardiologista. Antes disso, a tia Mirian (Mimi, minha irmã de coração, muito certamente de outras várias vidas) já tinha me acalentado a alma com informações muito úteis sobre crianças índigo... Mas eu precisava ouvir isso do pessoal que estava naquele encontro. E foi o que o doutor nos falou: nosso filho pode ser uma criança especial, como a maioria das que chegam ao mundo nessa nova era. São seres com uma nova energia e que vêm com a missão de transformar o planeta. Ele disse que nosso Joãozinho pode ser um índigo ou cristal. Já vasculhei a internet e estou tentando obter o máximo de informação possível sobre o assunto, que me agrada e realmente impõe desafios aos pais deste século. 

Aos pais que se interessarem em saber sobre isso, indico alguns links abaixo. Achei superinteressante o tema e realmente o comportamento dessas crianças relatado nestes novos estudos tem tudo a ver com uma porção de criancinhas que conheço, inclusive meus sobrinhos. A nova atitude dos pais e da escola no processo de educação também se transformou indiscutivelmente e os apontamentos dessas pesquisas só comprovam o que a gente já vem aprendendo na prática. Não há mais educação possível através da simples imposição. As crianças de hoje exigem muito mais sabedoria. Bom, vejam só:

- Crianças Cristal
- Crianças Índigo

Este é um post que pretendo apagar dentro de alguns anos, para que nosso Joãozinho não se ocupe desse assunto, se este for o caso. Até lá posso me informar melhor e saber o que fazer. De todo modo, essa experiência serviu para reforçar entre mim e João a necessidade de firmarmos nossa fé. Confesso que ainda não consigo me entregar totalmente à doutrina de um lado ou à religião de outro e ainda tenho perguntas sobre tudo. Eu poderia ser classificada como um espírito que precisa evoluir muito ainda para compreender e aceitar o transcendental, rere.



Mas tenho sido perseverante ao lado do meu marido nas tarefinhas diárias que ele agora tem sobre os estudos kardecistas. É o que ele quer e eu apoio! O que mais me atrai é a possibilidade de aprender. Então vamos lá, criar um ambiente familiar apropriado para que também nosso filho possa aprender a estudar estes assuntos e depois possa escolher seu próprio caminho. Que seja de muita luz! E que eu esteja realmente preparada como mãe (como me disse aquela médium) para mostrar algumas direções.


Tempo, tempo...
 
Com o pensamento menos aflito, passei um final de semana bem gostoso em família. Fizemos supermercado no sábado, João aproveitou para cortar grama e terminar de pintar a fachada da casa. Assistimos filminhos, recebemos os avós (Sônia e Alci), tios (Dani e Jô) e a priminha Duda em casa, descansamos. Fomos ontem a Castro e almoçamos com a vó Raquel e tio Zeco. Vimos o vô Valdemar, os tios Robson, Mateus, Day e o priminho Mateuzinho. Agora, com uma semana de chuvarada e friozinho pela frente, nada melhor que relaxar em casa e comer o segundo ovo de páscoa durante a espera. E curtir cada presentinho que temos recebido.

Abaixo alguns novos. Madrinha Dani providenciou o bebê conforto, almofada para amamentar, uma mantinha fofa com tema de girafinha (vem com a pelúcia junto) e CDs com músicas de ninar. Na promoção da Nestlé, ganhamos três ursinhos de pelúcia lindos na compra dos ovos de páscoa - tudo tema safari. Um amor. Tem roupinha, acessório e muita coisinha meiga que vou mostrando sempre que aparecer por aqui.
Já temos praticamente tudo agora. Só falta você, meu bichinho-piguiça!

Fica também o vídeo indicado pela Dani Nowak sobre como cortar as unhas do bebê.

Beijocas! Até logo mais. 

Mantinha fofa que tia Juliana Nasato deu

Bebê conforto, mantinha de girafa e travesseiro de amamentar: dinda Dani

Almofada de fuxico da vó Raquel e bichinhos da promoção de Páscoa

Além dos CDs, tia Dani também já nos deu muitos livros de oração

Roupinha da vovó Raquel
Da tia Day
 
Roupinha e manta da vovó Sônia, mais a chuquinha que comprei

Embalagem térmica para mamá, da dinda Rapha

Toalhinhas da vó Sônia



sexta-feira, 23 de março de 2012

Pra você, meu filho


João Augusto, meu filho amado

Faz bastante tempo que quero te escrever uma cartinha, mas até agora não tive coragem porque queria estar preparada, inspirada e cheia de palavras lindas pra te dedicar. Queria que fosse o texto mais bonito que já escrevi, o melhor que minha limitada capacidade permitisse. Mas esse momento não chegará, simplesmente porque não há expressões no meu singelo vocabulário suficientes para apresentar a imensidão e a intensidade do que já sinto por você. Sei que isso vai aumentar e então é melhor registrar agora mesmo.

Então, meu filhinho, perdoe a mamãe pelas palavras simples, pela péssima retórica, pela miudeza da minha condição de escritora. Leve em consideração, no entanto, o tamanho da minha emoção neste momento. Você foi gerado há nove meses com muito amor. Eu e o papai planejamos ter você e, apesar de não imaginarmos que seria tão rapidinho, queríamos a sua presença em nossa vida desde que nos conhecemos.

Quando descobrimos que você já estava morando aqui dentro, foi uma choradeira só. Eu senti a emoção (até então) mais forte da minha vida. Quis sair correndo, pulei, andei sem saber pra onde, contei pra todo mundo e sorri sem parar. Chorei com seu pai e nos abraçamos muito porque ali começava uma nova vida para nós dois, uma nova vida dentro de mim.

Eu não podia imaginar o quanto os meses que viriam adiante poderiam me trazer de novidades maravilhosas. Eu sabia que tudo tinha mudado pra sempre, mas nem de longe tinha a noção do quanto significavam aquelas transformações. No primeiro ultrassom você era uma pintinha dentro de uma minibolinha. E eu já estava querendo chorar. O segundo exame me mostrou teu coração batendo muito forte, muito rápido, e as lágrimas vieram intensamente. Dali em diante, cada imagenzinha sua em preto e branco fazia minha imaginação ir longe e eu quase era capaz de sentir você em meus braços. De repente eu senti você se mexer de verdade. Foi mágico, vibrei muito. Aí, todo dia você mandava um oizinho pra mãe e logo passou a se comunicar comigo em tempo integral, com chutinhos e tremidinhas. Até que me tirava largos sorrisos ao se revirar todo aqui dentro e fazer minha barriga se contorcer.

Estou te sentindo agora, meu amor. Nos últimos dias, sinto cada vez mais forte e fico com receio de que as contrações te deixem apreensivo. Aliás, o receio é uma constante companhia. Confio na vida, acredito no poder da natureza e tenho muita fé em Deus, meu anjinho. Penso nisso toda vez que me vem à mente um medo qualquer - mas ele vem. Também tento me afastar do sentimento de culpa, que surge em cada situação em que nos coloco em risco (como quando quero puxar tijolo, rere).

Rezo a todo tempo para que você tenha muita saúde e que siga um caminho cheio de luz para cumprir sua missão, que eu sempre soube... será especial. Peço para que eu tenha sabedoria para saber te orientar enquanto puder, para saber te encaminhar pela vida, para ser um bom exemplo para você, meu querido filho. Imploro para ser merecedora da grande bênção, da enorme felicidade, da honra imensa, do privilégio gigantesco de ser tua mãe. Fico emocionada quando te imagino lá num outro plano espiritual fazendo seus planos de ingressar para esta aventura terrena e olhando pra mim como a opção de ser tua mãe. Sei que me escolheu, assim como antes mesmo de vir a este mundo deixei registrado que gostaria de ter você como meu maior amor.

Meu grande tesouro... Prometo que vou me esforçar para te dar o máximo do que tenho de bom. Juro que não descansarei enquanto não tiver feito tudo para te proporcionar uma vida abençoada, linda, leve, repleta de muito carinho, de gigantesco amor, de afeição sem fim. Sou inteiramente tua, meu filhinho, e estou a teu dispor. Conte sempre comigo, a vida toda!

Neste momento, estou ansiosa pela tua chegada. Aguardo com muita expectativa a tua horinha de nascer. Meus pensamentos estão acelerados e confusos. Tenho comigo uma pressa enorme e ao mesmo tempo uma tentativa constante de manter a serenidade. Hormônios ensandecidos me percorrem as veias e me fazem chorar por qualquer motivo e até sem motivo.

Quero muito olhar nos teus olhinhos e sentir teu calor no meu colo. Estou te esperando, meu filho, com o coração apertado e inundado de alegria, de esperança. Porque você é meu recomeço e agora tudo tem outro valor. Nada mais é tão importante para mim quanto o teu bem estar, a tua felicidade. Por isso, eu e teu pai preparamos um lar especial para você, meu menino, uma família que busca diariamente o equilíbrio pautado em muito amor e companheirismo.

Ah, meu principezinho, é bom que você saiba que tem muita gente esperando por você com o coração cheio de ternura. A mamãe e o papai têm muitos amigos, além da grande família, que acompanham cada passo do seu desenvolvimento e que estão torcendo pela tua felicidade. Isso já é uma grande bênção.


Saiba também que estarei sempre ao teu lado! Te amo muito. Muito mais do que você é capaz de imaginar. Sei que vai sentir este mesmo amor quando chegar tua vez de me dar um netinho.

Seja muito bem-vindo meu bebê! Que Deus te abençoe e que o anjinho da guarda te proteja sempre. E obrigada, muuuuuuuuuuuito obrigada, meu neném, por me mostrar o verdadeiro e mais completo sentido da palavra amor, por virar minha vida de ponta-cabeça e me fazer a pessoa feliz que sou hoje!

Por fim, a mamãe queria ter o dom de escrever coisas lindas como esta música que uma cantora maravilhosa (do tempo da mamãe) compôs quando sua filha nasceu. É da Elis Regina para a Maria Rita e hoje é a filha quem canta. Quero que considere a letra, que tomei a liberdade de adaptar para você:


Menino da Lua


Leve na lembrança a singela melodia que eu fiz pra ti, 
oh bem amado Príncipe, olhos d'água, menino da lua 
Quero te ver claro, clareando a noite deste amor 
O céu é teu sorriso no branco do teu rosto a irradiar ternura 
Quero que desprendas de qualquer temor que sintas 
Tens o teu escudo, teu tear 
Tens na mão, querido, a semente de uma flor que inspira um beijo ardente 
Um convite para amar
Leve na lembrança a singela melodia que eu fiz pra ti, 
oh bem amado Príncipe, olhos d'água, menino lindo
Meu grande amor





Com amor, muito amor, o amor maior do mundo,

Tua mamãe

quinta-feira, 22 de março de 2012

39ª semana e uma certeza: ele está chegando!

38 semanas completas agora
"Bom dia meu filho. Será que você vem hoje?". Essas são minhas primeiras palavras quando acordo todos os dias nesta última semana. E a pergunta é constante. A barriga endurece, ele mexe mais forte e faz uma 'esquina', um 'canto', me deixa quadrada, logo volta ao normal e eu já me pergunto: "isto é uma contração?", "está chegando a hora?"

São contrações sim, mas as de Braxton-Kicks, ou contrações de treinamento, bastante comuns nos últimos meses de gestação e muito frequentes em mim, especialmente nos últimos dias. Ontem eu sentia a cada 10, 15 minutos e até cheguei a pensar que fossem os sinais da chegada hora. Mas não. A mãe, Day e o Mateuzinho (cunhada e sobrinho) passaram a tarde comigo, ficaram também na maior expectativa e, na sabedoria popular reproduzida pela mãe, os sinais podem ser apenas motivados pela 'força da lua'. Isso porque ontem chegava a lua nova e "os meninos gostam de nascer na nova", de acordo com dona Raquel. Os médicos não costumam admitir, mas a lua tem força sim sobre, entre muitas coisas, a gestação! Eu creio.


Só que meu menino já não quis saber da lua nova e resolveu ficar aqui dentro mesmo, me fazendo esperar pelo momento certo. E eu nem estou ansiosa, imagina. Ainda tenho bastante cabelo para arrancar, fica tranquilo meu filho, rererere. Sei que quanto mais tempo ele ficar, até dia 30 (meu novo prazo máximo - estabeleço um novo prazo a cada semana, ririri), melhor vai ser porque ele precisa ganhar peso. Porém, a espera e a sensação de que pode ser a qualquer momento são lancinantes para os nervos. 

A mãe acredita na força da lua... eu não duvido!


À flor da pele

Ah os nervos... Nunca fui a pessoinha mais controlada do mundo, mais tranquila, mais serena... Tentei me conter durante toooooda a gravidez... Mas agora tá difícil viu? Ontem amanheci chorona e descontei tudo no pai do Joãozinho, "porque ele não me dá atenção, não gosta mais de mim, não se importa comigo, porque estou horrorosa, ele deve ter outra" e assim por diante. Puro ataque de insegurança e melodrama para chamar a atenção. E olha que não sou dessas coisas. Mas ontem fui. Passou rápido, felizmente o relacionamento sobreviveu (desculpa aí amor).


Também me acabei de chorar ouvindo músicas e assistindo a videozinhos sobre gestação. E nem eram vídeos emocionantes, apenas coisas do tipo "como trocar as fraldas do bebê". E eu me derramando em lágrimas. É assim mesmo. Os hormônios piraram e me deixaram de cara ainda mais inchada de tanto chorar. Mas bastou minhas visitas chegarem para eu ter uma tarde deliciosa.

Site interessante

Fica a dica: este Curso de Gestantes da Abril é bem bacana:

Aula 14: Os sinais do parto




Aula 17: A troca de fraldas



Aula 18: O banho do bebê

Aula 19: A amamentação


'Book' da gestante

A Day é que tirou as demais fotos!

A Day me fez a grande gentileza de tirar zilhões de fotos da minha barriga. Eu adorei, porque apesar de ter a câmera sempre por perto, o João não gosta muito de fotografar e eu sempre achei que tenho pouca foto da gestação (exagero meu, eu sei, mas adoooooro foto, ainda mais agora). Então aproveitei e coloquei a pança pra fora para aproveitar os cliques da cunhadinha. Observação importante: esta é provavelmente a única fase da minha vida em que faço poses com o umbigo à mostra. Antes e depois, vocês dificilmente verão minha barriga num registro qualquer. rererere.

Arrumação

A expectativa pela chegada também me deu uma energia grande, um pique, vontade de arrumar tudo logo e não deixar nada esperando. Por isso lavei roupa, limpei algumas coisas da casa, passei a rouparada e arrumei a malinha do bebê! Até que enfim né? No internamento da semana passada até levei a malinha pro hospital, mas como arrumei às pressas, ficou tudo errado. Tinha umas 15 toalhinhas de boca e dois mijõezinhos. rerere. Agora não... Coloquei as mudinhas para cada troca de roupa em pacotinhos separados, etiquetados e deixei na malinha somente aquilo que realmente é necessário. Agora falta terminar de limpar a casa de novo (hoje ainda, tô me enrolando) e ajeitar malas para mim e para o papai.

Relaxar, é possível?

A cama tem sido meu lar
Nesse tempo todo estou tentando me distrair e parei de ler um pouco o livro sobre gestação para não ficar com o pensamento monotomático. Então estou lendo a biografia do Keith Richards e resolvendo problemas de Sudoku (isso, aquele joguinho de números japonês). Também tenho feito bolo e me distraído na cozinha. Depois de comer todo meu ovo de Páscoa em duas sentadas, abri uma lata de leite Moça e mamei até a metade. Não me condene! É tudo culpa da ansiedade. rararara.

Sobre a amamentação

Teve um tema, entretanto, que me fez parar para estudar mais um pouquinho. A amamentação. Não me preocupei com isso até aqui. Meus peitos só inflaram no começo da gravidez e depois do quarto mês até murcharam um pouco. Não sinto nada de diferente neles e também não me ocupei de preocupação. Sempre pensei que quando chegar a hora, meu bezerrinho vai se dependurar aqui e eu vou ter um montão de leite. Será? Dei uma olhada pela internet e vi que nem sempre é tão simples assim. Então, estou me preparando para fazer exercícios circulares e 'incentivar' a produção. Tomara que dê tudo certo.

"Diga oi pro priminho"

Sobre o parto

Ah e quanto ao parto? Vocês já sabem que eu morro de medo né? Dos dois tipos de parto. Mas agora que estou super pesada (15 quilos a mais até aqui) e querendo ver logo meu filhote, fiquei menos apavorada. Continuo determinada a esperar pela hora que ele quiser nascer e a enfrentar as dores. Fácil para mim, porque sei que meu obstetra toparia uma cesária no ato se eu reclamasse demais de dor. Mas quero tentar o parto vaginal por suas vantagens. Estamos nesse planeta há tanto tempo e a maioria das mulheres que nos precederam antes de inventarem o procedimento cirúrgico sobreviveu às bendidas dores - quero acreditar que sou capaz. Mas se eu não me julgar forte assim quando as contrações chegarem, podem confiar: choro pro doctor. rerere.

Ah, lembram do blog do Memezinho da Mamãe, que indiquei outro dia? Então, ele tem uma sessão inteira sobre o doutor ObsTRETA, que defende a todo custo o parto cesária. Separei alguns memes. Dá uma olhada que sarro:










Divertido não? Mas preciso defender meu obstetra. Dr. Luiz Antonio tem mais de 20 anos de experiência e até me parece ser chegado a um parto cirúrgico, no entanto em nenhum momento me pressionou. Pelo contrário. Ele me auxilia na decisão de tentar o natural e me tranquiliza sempre. Uma das coisas interessantes que descobri com ele é referente ao pagamento pelo plano de saúde ao médico. Juro que achei que eles ganhavam mais num parto.

Meu convênio paga R$ 400 ao médico pelo parto natural e R$ 350 pela cesária. E eu pensava que ele ganharia mais na cirurgia. Por outro lado, para os médicos a cirurgia pode ser mais cômoda porque eles não precisam ficar 12 ou mais horas à disposição da gestante, esperando o momento certo. Agendam a melhor data, vão ao hospital e em uma hora estão de volta no consultório né? Bem, teremos consulta na segunda-feira, dia 26, e voltaremos ao tema (se até lá eu ainda estiver grávida né?).



Presentinhos

Ontem também recebemos a visita da família Martins Seidl. O tempo é uma bênção mesmo né? Eu morei com a Bianca na época da faculdade e depois, por um tempo, nossa amizade ficou abalada. Coisa de crianças, que éramos. Anos após, tive a grande oportunidade de conviver com a Bi de novo no trabalho. Fomos colegas no Página Um e retomamos um grande amor de amigas. Tive o privilégio de ir ao seu casamento com nosso colega de turma Eduardo, hoje bombeiro. E agora tenho a honra de tê-la como uma irmã. O melhor: ela mora aqui em PG! Eles vieram pra uma pizza e trouxeram seu pequeno Bernardo, uma gracinha de menino. São uma família linda. Ganhei presentinhos dela, que tem uma boutique infantil (recomendo!): a Mimo Presentes.

Outros muitos mimos tenho recebido dos amigos e familiares. Isso tudo é uma delícia. Registrei algumas coisas.

Presente da tia Day
Da vó Sônia

Do papai (através da vó Sônia)

Da amiga do João, Luciane

Veio em forma de doce

Sem a embalagem fica assim. Fofo né?


Das avós

Ah o papai comprou um sling!

Boutique da Bi

Preciso registrar e agradecer aqui também o enorme carinho que tenho recebido dos amigos de facebook. Até gente com quem quase não convivo está presente lá, em cada post meu, desejando uma boa hora, mandando oração, trazendo boas energias pra gente e vivendo a expectativa comigo. Que lindo isso! Que coisa boa termos hoje este espaço de relacionamento.Obrigada mesmo! Vocês me fazem muito bem e me ajudam a enfrentar esta agonia gostosa da espera.

Entro hoje na 39ª semana de gestação e isto implica em dizer que o prazo está acabando. Finalmente está chegando o momento de sentir meu filho nos meus braços, de ouvir sua voz e alisar seu cabelinho. Estou pronta, meu amor! Pode vir. E pode ficar mais, se preferir. Mamãe espera. 

Um beijo pra vocês que chegaram até aqui na leitura. Tô com tempo, então já viu... escrevo mais que falo. rerere.

Para encerrar, videozinho divertido que a Fran Meira dedicou pro papai João Alcione. Já posso até ver a cena... :-) "Porque o pai não deveria entrar na sala de parto"



Até breve.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...