Páginas

terça-feira, 30 de outubro de 2012

As receitinhas do Joãozinho! Papinhas que até mamãe gosta

Tô de olho na cozinha!
Como anunciei no último post, trago hoje as receitas de papinhas que fazem sucesso aqui em casa. Apesar de que tudo o que cabe na colherinha e vai pra boca do neném faz sucesso. Ele é bem gulosinho.

Era pra eu ter colocado antes, mas fazer comida toma tempo. Dar papinha então... a gente fica o dia todo amarrada (no bom sentido). Foi bom esperar, porque assim coloco a maioria das receitas que consegui fazer. Algumas eu adaptei bastante e a maioria faço no olhômetro, sem seguir tudo isso à risca, mas é bom ter uma referência né? São dicas da minha pediatra e da pediatra da minha querida amiga Juliana Nogueira, lá de Tibagi.

Vale ressaltar que nas duas primeiras semanas, durante o sexto mês, dei apenas suco. Aí então começamos com as papinhas de frutas e finalmente veio a refeição principal, o almoço, quando ele completou seis meses. Depois de três semanas de almoço é que introduzi o jantar. Isso porque ele continua firme no peito e não toma leite.

Ah e ele continua mamando durante o dia, quantas vezes quer. Normalmente mama umas três vezes, entre as refeições, quando tá com soninho ou pra fazer cocô (o leite ajuda no funcionamento do intestino). Por conta da redução no estímulo, meu leite também diminuiu bastante. Nos primeiros dias espirrava pra todo lado, agora deu uma murchada legal. Mas ainda tem bastante para as mamadas da madrugada.

Nas primeiras papas salgadas, eu cozinhava a carne junto com os demais ingredientes e depois retirava os pedaços, de modo que João tomava apenas o caldo da carne. Agora já come tudo.

Os especialistas dizem que é importante servir a comida amassada, com pedacinhos, para incentivar a mastigação. Mas tem bebê que faz bastante ânsia, então cada caso é um caso e acho que a mãe é quem tem que saber o melhor né? João não consegue comer o famoso boi ralado, a carne moída, por exemplo. Os pedacinhos engasgam na garganta. Eu mesma tentei engolir e não consegui. Por isso sempre trituro a carne no master e depois misturo aos legumes para amassar. O indicado é passar por uma peneira, mas triturada a carne não achei necessário.

Outra coisa que às vezes faço diferente é o modo de cozinhar. Nas receitas abaixo, a indicação é por cozinhar carne e legumes em panela normal ou de ferro. Eu muitas vezes faço na panela de pressão, que é mais rápido e fica bom também. Depois congelo em porções do tamanho das de potinho de mercado, menos de 120 gramas. João às vezes quer mais, então, no geral, ele come umas quatro colheres de sopa cheias da papinha (sem caldo) em cada refeição. E não dá pra ceder muito senão fica com sobrepeso e ninguém aqui quer um bebê com problema de saúde né?

Quando a gente sai passear, levo as frutas, um suquinho num copo fechado e o potinho congelado, de preferência na frasqueira térmica, e peço para aquecer no restaurante ou onde der. Em viagens de mais de um dia levo ainda a papinha industrializada, que eu acho com gosto de coisa artificial, mas ele adora. rara.

Quanto ao Mucilon, a pediatra disse que até pode ser oferecido, mas como o leite ela recomenda só após o nono mês, pediu pra esperar. Ainda não dei sobremesas pra ele. Não achei necessário, pois as frutas são bem docinhas. Tanto que até mamãe aqui aprendeu a comer mais frutas, mais legumes e não é raro flagrá-la dando umas lambiscadas na papinha do bebê. :-O Os sucos então... hummmm.

Essa carninha moída aí é que ele não conseguiu comer
Por isso cozinho em pedaços grandes e passo no triturador,
depois junto aos legumes para amassar

Recomendações da dotôra do nenê! 

Quando João Augusto fez seis meses, sua pediatra, dra. Tiyoco, liberou as papinhas e de quebra me deu um cardápio impresso com receitinhas e tudo. Mais um ponto pra ela, que eu amo já desde que conheci. Vamos às orientações?

- Seio materno exclusivo até o sexto mês. Eu comecei com suquinhos e frutas duas semanas antes, com autorização da doutora.
1. Usar colher, prato e copo para melhor higienização. Ela prefere dispensar mamadeiras e mesmo a água que eu ofereci numa chuquinha, João não consegue tomar, não aprendeu a sugar. Vai no copo mesmo.
2. Iniciar com alimentos amassados com garfo e peneirados - até o nono mês. Eu não passo na peneira, mas não conta pra Dra. Tá?
3. Introduzir os alimentos um de cada vez para observar possíveis reações alérgicas por dois a quatro dias.
4. Observar com atenção se: leite de vaca, trigo, clara de ovo, milho e tomate provocam alergias. O ideal é aguardar até o nono mês de vida para ofertar estes alimentos.
Felizmente João não teve reação a nada até agora e confesso que alguns apresentei de uma só vez, como cenoura, abobrinha e batatinha numa papinha só. Nem tudo eu sigo ao pé da letra, ririri. 

SUCOS: começar com pequena quantidade, cerca de 10 ml, e aumentar gradativamente.
Melão Real (aquele que vem numa redinha)
Melancia
Manga
Laranja-Lima
João adora todas! E agora bato no liquidificador (obrigada por este presente tão útil Ju) várias frutas de uma vez, fica delicioso. A our concour é de maçã, melão e manga. Tenho sempre que fazer a mais, pra mim, kkkk. 

FRUTAS amassadinhas:
Banana (caturra que é mais molinha e doce)
Pêra
Mamão
Melão
Maçã, abacate, kiwi e demais frutas devem ser inseridas no cardápio após o nono mês, segundo a médica. Mas eu já dei maçã argentina (mais fácil de raspar) e abacate, sem problemas. Só observo se ele não está com intestino solto ou com prisão de ventre. Também já comeu pêssego.

Importante lembrar que bebês não podem comer mel, hein? Olha só: Mel pode conter a bactéria do botulismo. Outras restrições, por alguns pediatras, são com relação ao tomate e morango, por conta do nível alto de agroquímicos usados na produção, e fígado, que é o filtro do organismo, pra onde vão todos os hormônios injetados nos animais na produção em granja, conforme alerta da Dra. Tiyoco. Eu não fiz porque sinceramente não gosto do sabor.

PAPINHAS devem conter:
1. Carne de gado no início e depois do oitavo mês frango e peixe
2. Legumes: cenoura, batata, abobrinha, chuchu, vagem, beterraba etc.
3. Verduras: couve, almeirão, acelga, mostarda, radicchio, agrião etc.
4. Grãos: arroz, aveia, feijão, lentilha, trigo e milho (este no oitavo mês em diante).
5. Temperos: cebola, salsa, alho etc.
6. Óleo: canola, oliva, milho (1 colher de sopa). Só usei o de canola ainda
7. Sal em pequena quantidade (colheres das de café)
Também já usei macarrão e fubá em algumas combinações em que não adicionei os grãos. 

Arroz e legumes no caldinho de feijão

RECEITAS DA PEDIATRA:

Papa de carne, abobrinha e arroz
2 colheres de sopa de carne triturada. (Na receita original, ela indica carne moída, mas João faz ânsia por isso prefiro triturar pedaços de coxão duro, músculo ou outra carne sem gordura, depois de cozida, no master. Fica bem gostoso.)
1 colher de sobremesa de óleo de canola
1 colher de chá de cebola ralada
1/2 abobrinha pequena picada
1 colher de sopa de arroz cozido
1/2 colher de café de sal
Refogue a cebola no óleo e acrescente a carne em pedaços. Adicione abobrinha e água até cobrir a mistura. Quando ferver, junte o arroz e o sal. Cozinhe até a água secar e os ingredientes ficarem moles. Triture a carne e misture novamente à papa que deve ser servida amassada.
Outras sugestões: a abobrinha pode ser substituída por chuchu, vagem, quiabo ou brócolis.

Papa de batata, carne e almeirão
2 colheres de sopa de carne triturada
1 colher de sopa de óleo de canola 
1 colher de chá de cebola ralada
2 folhas de almeirão picadas
1 batata grande picada
1/2 colher de café de sal
Refogue a cebola no óleo e acrescente a carne em pedaços. Adicione batata e sal. Cozinhe em dois copos de água até ficar um caldo grosso e junte o almeirão. Cozinhe por mais cinco minutos. Triture a carne e misture novamente à papa que deve ser servida amassada.
Outras sugestões: o almeirão pode ser substituído por couve, espinafre, radicchio, escarola, agrião ou alface.

Papa de caldo de feijão, carne e abobrinha
Cozinhe a abobrinha picada em caldo de feijão com carne cozida e triturada e amasse.
*Mas eu, quando dou feijão, normalmente dispenso a carne e adiciono outros legumes.

Papa de músculo, macarrão e vagem
1 pedaço pequeno de músculo, cortado em cubos
1 colher de sopa de óleo de canola
1 colher de chá de cebola ralada
2 colheres de sopa de vagem picada
1/2 colher de café de sal
1 colher de sopa de macarrão conchinha
Refogue a cebola no óleo e acrescente a carne em pedaços e a vagem, acrescentando água o suficiente para cobrir a carne. Deixe cozinhar até a carne ficar macia. Se necessário, junte mais água. Tempere com sal, adicione o macarrão e cozinhe por cinco minutos ou até que fique bem cozido e com pouca água. Amasse.

Papa de arroz, cenoura e carne
1 colher de sopa de arroz cru e lavado
1 colher de sobremesa de óleo
1 colher de chá de cebola picada
1/2 cenoura grande ralada
1/2 colher de café de sal
2 colheres de sopa de carne moída ou triturada
Refogue a cebola, o arroz e acrescente a carne, a cenoura e o sal. Cubra com água e cozinhe até ficarem macios e com pouca água. Amasse.

Papa de carne, mandioca e abóbora (ainda não testei esta)
2 colheres de sopa de carne moída ou triturada
1 colher de sopa de óleo de canola
1 colher de chá de cebola ralada
1 colher de chá de mandioca picada
1/2 colher de café de sal
Refogue a cebola e acrescente a carne, com dois copos de água e mandioca picada. Deixe cozinhar por dez minutos e junte a abóbora. Cozinhe até que todos os ingredientes fiquem moles e com pouca água. Amasse.

Papa de carne e mandioquinha
1/2 bife de carne de boi picadinha
1 tomate pequeno, sem pele e sem sementes
1 colher de soá de repolho em tirinhas
1/2 colher de café de sal
1 colher de sobremesa de azeite
Cozinhe a carne e o tomate picado em fogo baixo e se necessário junte água até que a carne esteja cozida. Acrescente o repolho e o sal e cozinhe por mais cinco minutos. Desligue e coloque o azeite, misturando bem. Amasse com um garfo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Nutrição da Criança - Coordenação Jamal Wehba.
Crescendo com Saúde - Maria Luíza de Brito Ctenas e Márcia Regina Vitolo


*** --- ***

Pedro ficou fofuxo com as papas da mãe especialista, né Ju?

RECEITAS DA JU

Além das receitinhas da doutora, eu também fui pra cozinha com o que chamei de Tutorial de Papinhas da Ju! Sim, porque é praticamente um descritivo completo de como fazer papinhas que minha super amiga Juliana Nogueira me passou. Eu só pedi umas dicas e ela, querida demais da conta e profissional em tudo o que faz, me mandou um guia super exclusivo que compartilho, em partes, aqui, afinal, são orientações muito legais.

Ela se baseia muito no que a pediatra do Pedrinho recomendou: a dra. Denise, lá de Tibagi, que é super dedicada, comprometida e excelente médica.

"Dra. Denise recomendou as seguintes frutas: mamão, maçã, banana-maçã, pera, manga e abacate, além da laranja-lima. Depois de o Pedro experimentar todas individualmente, comecei a misturar e ele adorou.
Algumas eu faço em forma de purê, como a maçã e a manga. Descasco e pico em pedaços e coloco um pouquinho de água na panela, deixo cozinhar e depois bato no liquidificador. Coloco num potinho na geladeira e na hora da fruta eu misturo com as outras. A Dra Denise sugeriu colocar um pouco de açúcar mascavo no purê, mas acho desnecessário por causa do próprio doce das frutas.
As combinações podem ser das diversas formas, geralmente alterno um purê e uma fruta crua e uma fruta que solta e outra que prende o intestino. Quando tem um pouco só de uma fruta, misturo três tipos. Quando o tempo está frio, coloco uns 15 segundos a papinha pronta no microondas para quebrar um pouco o gelo. Ah, o abacate deve ser servido bem maduro, sem açúcar. Ate eu aprendi a comer assim, rs. (Eu também Ju! kkk)
Exemplos: mamão e banana; mamão e pera; mamão e purê de maçã; purê de maçã e abacate; purê de maçã e banana; purê de maçã e pera; manga e banana; manga e abacate; manga e pera; pera e banana; pêra e abacate...
Obs.: No purê de maçã, você pode cozinhar à parte algumas ameixas pretas, retirar os caroços e bater junto.
Ingredientes que devem compor a papinha para que ela fique saudável: (bem parecido com as recomendações da minha médica) 1 tipo de carne: gado, frango (50 gr). 1 legume: cenoura, abóbora (só não uso a moranga, acho que fica com gosto de doce), abobrinha, beterraba, batata-salsa, chuchu etc. 1 ou 2 verduras. 1 ou 2 tubérculos: batata, batata-doce, cará, inhame, mandioca etc. 1cereal: arroz integral, fubá, aveia.
Modo de fazer: Frite a carne em óleo ou azeite (eu uso de girassol), coloque um dente de alho e um pouco de cebola e por último adicione um tomate picado sem sementes e deixe refogar. Eu coloco às vezes 2, 3 coisas de cada, não tenho uma regra e sempre acrescento uma colher de aveia e outra de fubá. Preste atenção se for colocar o arroz integral e a beterraba, pois eles demoram para cozinhar. Tempero tudo com sálvia, orégano, salsinha e cebolinha desidratada (não tenho usado estes temperos ainda). Não precisa colocar sal, mas comecei a colocar uma pitada para quebrar o doce de alguns legumes.
Após a papa salgada, sempre dou o suco de laranja-lima no copo de transição e às vezes bato no liqui com cenoura (também gostei).
Rotina (faço assim também): atualmente sirvo no meio da manhã a papa de fruta e água, no almoço a papa salgada e suco de laranja, Noripurum 1 gota/kg (João toma Vitawin logo cedo), no meio da tarde papa de frutas e água e no jantar papa salgada e água, depois começo a jornada do leite, com 120 ml em cada mamada (João mama no peito umas três vezes na noite).
Após os seis meses, dá para acrescentar as leguminosas (feijão, ervilha, soja). Deve ser dado ½ ovo cozido duro duas vezes por semana. Eu cozinho, amasso com o garfo e misturo na papinha (ainda não fiz isso). Outras refeições para depois de maiorzinho: polenta molinha, couve e carne moída. Purê de batata ou abóbora com frango desfiado e brócolis. Quirera bem molinha, tomate e couve ou mostarda ou verduras da época mais carne moída. Feijão preto com o grão bem amassado com arroz integral, mais cenoura e uma verdura. No oitavo mês pode ser servido peixe bem cozido, macarrão cabelo de anjo com músculo bem cozido, beterraba e alface. 
Site recomendado pela Dra Denise: http://www.conversandocomopediatra.com.br
Importante: após as refeições, limpar a gengiva e língua com uma fraldinha molhada ou usar o dedal de silicone para higiene bucal. 
O Pedro ficou um gostosão depois que começou a comer estas papinhas, hehe! Recomendo! E ficou mesmo, Juuu! :-)

***---***

PAPINHAS NA REDE

Beterraba, carne, couve-flor e batata

E como toda mamãe conectada já sabe, a internet tem uma infinidaaaaaaade de receitas bem deliciosas. Eu recomendo estas 10 papinhas do site Bebê Abril (clique aqui). Já experimentei a de carne, beterraba, batata e couve-flor e a de carne, fubá, cenoura e couve. Ficaram saborosas.

Com estas dicas já dá pra começar um cardápio super nutritivo e natural para o bebê, mas na minha opinião o que realmente vale é a criatividade da cozinheira, que pode combinar uma infinidade de sabores disponíveis de Norte a Sul do Brasil em hortaliças, frutas, carnes e comidinhas.

Ah, e o principal: muito amor (não o sazón, amor de verdade mesmo), paciência e dedicação, porque são horas e horas à disposição de um serzinho faminto e que adora brincar com comida. Ou seja... vai ter muita papa voando pela casa e sujando a roupinha mais lindinha, mesmo com babeiro.

Cenoura, carne, couve e fubá

Para encerrar, um vídeo inspirador que meu filho adora. Patati Patatá em "Come pra mamãe ficar feliz"! :-)



E você já foi pra cozinha fazer papa? Como são as comidinhas aí na sua casa? Se quiser deixar a receitinha, mamãe agradece! :-)

Beijos de um bebê lambuzado de comida pra você!

terça-feira, 23 de outubro de 2012

A maravilhosa cozinha de Joãozinho

No seu cadeirão, meu glutão!

Há um mês demos início a uma etapa importante de adaptação do meu bebê neste mundo de seres humanos famintos. Ele deixou de ser apenas um bezerrinho mamador e passou a mastigar também! E gostou! Como gostou... Começamos com os suquinhos na metade do sexto mês e quando finalmente ele fez meio ano de vida, experimentou pela primeira vez uma papinha salgada.

Desde então minha rotina virou em fazer e dar comida pra ele, além é claro de fazê-lo dormir, dar banho, brincar, dar o peito, trocar fraldas e cuidar da casa, de mim, do marido... enfim... A vida ficou ainda mais corrida depois da papinha. Mal lavei o pratinho do almoço, já tá na hora da frutinha. rararara.

Mas vale muito a pena! É linda a carinha de feliz dele a cada pratada. E pelo que parece, já até engordou. O difícil é saber dosar a quantidade, já que o danadinho come tudo e não para enquanto eu estiver oferecendo. Água só de colher ou no copinho de transição, fazendo maior auê, porque na mamadeira ele não sabe sugar. Aos poucos estamos nos adaptando e criando nosso próprio Mais Você Baby aqui, experimentando de tudo um pouco. É a maravilhosa cozinha de Joãozinho no ar!

(No próximo post, falarei exclusivamente sobre as papinhas, com as receitas recomendadas pela pediatra, as que copiei do mundo virtual e as que recebi como dicas de amigas. Ainda hoje, se der tempo...)

Outro desafio está sendo a adaptação ao horário de verão. Depois que tínhamos finalmente entrado numa rotininha bem certa, veio o novo horário e não tem sido fácil fazê-lo dormir antes das 11 da noite e almoçar antes das 2 da tarde. Hoje fiz ele acordar mais cedo e até agora está funcionando.


Então... sobre esta nova fase com papinhas, preciso admitir: existe vida após a amamentação exclusiva e de livre demanda! Eu amei que João cresceu lindo e corado até o sexto mês só no peito, mas percebi que dar papinha é uma bênção na vida da mãe.

Se antes ele mamava o quanto queria e a toda hora, agora passa longe do peito boa parte do dia e prefere a mamãe só durante a noite. Isso me deu uma certa liberdade e acredito que agora já estou preparada para deixá-lo com outra pessoa por um tempinho, se necessário. Não que eu queira né? rere

Com a pancinha cheia, Joãozinho dorme com mais regularidade mesmo durante o dia. Agora as sonecas estão bem definidas e duram mais tempo. Ele dorme de manhã e à tarde por até duas, três horas seguidas, cada vez. Uma maravilha porque além de tudo fica bem-humorado e não faz manha.

Não é raro que durma sozinho, enquanto deixo ele sentado num colchãozinho na sala, brincando. Tô arrumando a cozinha e quando olho pra trás o beleza já tá dormindo. Outro dia levei até um susto porque estava de bruços, com o corpinho no colchão (é bem baixinho) e a cabecinha no tapete, judiação, rerere. Outro jeito fácil de adormecer é no bebê conforto assistindo um de seus DVDs. Isso facilita tanto a vida da pessoa... :-)

As novidades que ele aprende passam logo. Por isso é bom registrar mesmo. Ele já não pisca mais como na foto do último post, mas aprendeu estalar os lábios com um barulhinho parecido com pá-pá e a fazer brum brum de boca cheia. Aí a festa é completa. Papinha voando em todas as direções. Adora ainda colocar as mãozinhas na boca enquanto come e depois esfregar nos olhos. Vira uma meleca só. A mãe precisa ter muuuuuuuuita paciência pra dar papinha viu? rerere. Mas é pura diversão.

Ah e meu filho tá ninja pra fazer atividades que antes requeriam esforço, como tirar o aplique de girafinha da almofada protetora no berço. Ele faz isso até dormindo e consegue a proeza de arrancá-la de lá usando só os pezinhos. Jiraiya! (Joãozinho vai ter que pesquisar no google pra descobrir o que era Jiraiya né? Mamãe antiiiiiiiiga, kkk) 

O colchãozinho na sala tornou-se o espaço seguro e confortável para a bagunça. Nas roladas por ali, já ameaça se arrastar e logo logo teremos um bebê engatinhando em casa. As gargalhadas agora são bem mais frequentes. Dá risada de qualquer coisa e ama quando faço cócegas nos pezinhos, barriga e debaixo dos bracinhos! Ah e agora quer porque quer arrancar meu nariz, a todo custo. Sem falar na própria orelha. Faz um tempo que ele puxa e repuxa...

No videozinho abaixo, algumas das peraltices destas duas últimas semanas que mamãe registrou:





Primeira vez no Hotel

Passeamos muitão, como sempre, e recebemos visitinhas também. Vale deixar um registro aqui.

Fomos a Curitiba participar de um jantar com os colegas de trabalho do papai e ele fez o maior sucesso com sua camisa social e colete de lã. O vô Alci, que também estava, saiu pelas mesas exibindo o moço que sorriu pra todo mundo e até se jogava pra ir no colo das mulheres, principalmente das que estavam com os maxicolares da moda. Ele ama puxar aquilo! rerere. Inclusive ele arrebentou minha gargantilha que tem o pingente de menino.
Com o vô Alci no jantar
Aproveitamos para passear na casa da tia Rosi, pra ver tio Arnoldo, Ramon, tio Bira, mais minha prima amada Carla e o Rômulo que está cada dia mais lindo. E na casa dos tios Ricardo e Mercedes, para reencontrar os primos Rogério, Reginaldo, Elisete, Natália e a querida vó Francisca, a bisa de 93 anos que graças a Deus está bem melhorzinha.

Vendo as ofertas do dia com a tia Mercedes e a bisa Francisca

Com tia Carla e priminho Rômulo

Na casa da tia Rosi

Ficamos pela primeira vez em um hotel com o bebê e deu tudo certo. No primeiro dia ainda comeu papinha que eu levei congelada. No segundo foi da industrializada - de vez em quando pódiii! Ele adorou. Tomou banho de chuveiro com o papai, coisa que temos feito com certa frequência para ir acostumando. Dormiu num berço tipo chiqueirinho que o hotel disponibiliza e comeu fruta do café da manhã junto com a gente. Foi tudo beleza.

Dica importante: ao viajar com o bebê, levar sempre seu documento de identidade. No check-in do hotel é exigência estar com o documento, o que acho ótimo para evitar sequestro de bebês. Problema é que um dia antes eu tinha tirado a certidão dele da bolsa para fazer uma cópia e acabou ficando no scanner aqui de casa. E agora José? Fomos salvos pela carteirinha do plano de saúde, que estava comigo. Senão... dormiríamos debaixo da ponte! kkkk. Exagero pouco é bobagem! rara.

Outra dica é da Mirian, minha querida, que faz algum tempo já me passou esta foto aqui ó:


Bem prático pra viagem né? Eu não tenho e agora João nem caberia mais, mas adorei a ideia.


Visitinhas
Aprendendo a brincar com a amiguinha Isabela

Volta e meia a gente recebe gente muito querida aqui em casa. Nesta semana foi a vez da Karine e da Isabela, de cinco meses. Joãozinho adora ela, pega na mãozinha, puxa o cabelo, morde a cabeça da princesa dela e ela também serra os dentinhos (que amor, já tem dois) nos brinquedos dele. Enfim... é uma delícia ver eles brincarem juntinhos. Da primeira vez botamos os dois deitadinhos no colchão, agora eles já ficam sentados. Maior interação.

Depois foi a vez da Adri e do meu sobrinho Luiz Henrique. Passeamos no parque infantil do shopping e trouxemos filme pra assistir em casa. Além do presente que ele mesmo escolheu: um skate com joelheira, capacete e tudo. Enquanto isso, papai fazendo prova da OAB. Rezem amigas, ele precisa passar!

Ficou lindo de piloto né?

Luiz Henrique e seu skate

Nossa tarde no parquinho do shopping

Dia das Crianças

João ganhou um controle remoto de brinquedo de presente da amiguinha Isabela e outro da tia Dani. Ele ficou chique, tem um pro DVD e outro pra TV, oras. Também ganhou um DVD player portátil, emborrachado, anti-impacto super legal dos avós Alci e Sônia. A gente coloca a Galinha Pintadinha pra tocar até no carro, durante a viagem. #overdosedegalinha

Aqui toca Galinha all time

Eu dei um cadeirão de presente pra ele e é lá que passa boa parte do dia, sentadinho para papar. Dei ainda uma piscininha, dessas bem mini mesmo, que por enquanto tá cheia de brinquedo lá na sala porque calorão que é bom nada ainda. Achei bacana também pra levar pra praia ou pro clube. Super baratinha.

Meu Jiraiya

***

Doe vida

Para finalizar, fica a dica de um vídeo lindíssimo, que inspira amor e solidariedade. Elaborada por pacientes do setor de Hematologia e Transplante de Medula Óssea do Hospital Nossa Senhora das Graças, em Curitiba-PR, a produção emociona e nos faz dar valor a cada segundinho de vida. E o principal: SEJA DOADOR DE MEDULA ÓSSEA.

Já tenho cadastro no Redome há bastante tempo, desde que comecei a doar sangue. Não dói nada e pode ser a salvação da vida de alguém.




***

Agora conta aí... Como foi sua experiência com papinha? Um beijo e até loguinho!

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

A farra do cocô na minha mão!

Safadeeeeenho!
Semana corrida demais, sem tempo para postar, mas para não passar batido, publico hoje algo que estava na gaveta. Post com clima de suspense para combinar com o último capítulo de Avenida Brasil, hi hi hi hi hi! Afinal, não se fala em outra coisa né? Bora lá? 

***

Não basta ser mãe, tem que levar uma "cocozada" do neném! uahauhua. Claro que já me sujei toda com as caquinhas de João, quando numa troca de fralda ele solta aquele jatinho que vai parar lá na cômoda. Mas o que se passou numa noite dessas foi mais grave.

Ele já estava há dois dias sem liberar o trenzinho de meleca. Pela primeira vez em sua vida de seis meses, meu filhinho teve prisão de ventre e justamente por causa da papinha, que tinha iniciado naquela semana. Chegamos em casa de um passeio, só eu e ele, às nove da noite e mal entramos pela porta, a luz apagou. Sabe aquele apagão que afetou boa parte do Brasil por conta de um incêndio em Furnas de Foz do Iguaçu? Então...

Como teria que esperar para dar banho, resolvi tentar usar o (música de suspense, por favor) malfadado, indesejado, intrometido... supositório! Pela primeira vez também, claro. Com a luz do celular no berço, fui tateando a poupança do meu pimpolho até achar o... "furinho" (tem criança lendo). Tentei colocar o rolinho de glicerina, mas quê? Não conseguia! Umedeci o rolinho para ajudar e nada de entrar. Pra completar, Joãozinho na maior traquinagem rolando pelo berço sem parar.

Quando achei que já estava bem difícil, acabou a bateria do celular. Lembra da máxima "tudo o que está ruim pode piorar?" Lá fui eu pra cozinha, no escuro, acender uma vela. Posicionei a vela na cômoda e resolvi então pegar João nos braços. De perninhas dobradas, "mirei" para a luz e recomecei a empreitada para levar a "solução" até o "problema"... Quando finalmente achei que tinha conseguido, o abacate e o mamão que dei a ele à tarde resolveram fazer efeito e o supositório foi lançado fiofozinho afora por uma cobrinha de cocô... na minha mão!!! Rá!

Nojinho? Que nada. Eu fiquei é feliz (nunca imaginei isso!) e segurei toda a cagança caquinha na mão, apertando a barriguinha com a outra pra ver se não saía mais... ali no escuro, no silêncio, num clima romântico que só. Fui "pelo rumo", com ele no colo, até o banheiro jogar a coisa toda no vaso e tentar lavar a bundinha na pia. Consegui colocar uma fralda para que terminasse o trabalho. Fralda cheia. Final feliz!

Cena extra: Entre uma coisa e outra, cansada de esperar a energia voltar, tomei banho gelado à luz de vela, com ele de plateia no bebê conforto. Lógico que quando saí do banho a luz acendeu. Murphy explica! :-)

Depois da farra do cocô... adivinhem?

E por aí? Já aconteceu algum "incidente" melequento também? Conta, vai :-)




quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Piscadinha sedutora e outras traquinagens


Chegou o momento em que João Augusto aprendeu a fazer arte para chamar a atenção e também para conseguir o que deseja. Eu vivo tentando ensinar a ele aquelas caretinhas fofas que vi meus sobrinhos fazerem, mas independente do que eu apresente, ele, de uma hora para outra, aprende sozinho alguma travessura e me tira de órbita de tanto que me divirte. Foi assim com essa piscadinha aí do vídeo.

Ele é sempre sorridente e numa das minhas tentativas de mostrar como se manda beijinho, João me solta esta piscadela simpática, fofa, coisa mais linda do mundo #melaçãomodeon. Com a reação escandalosa animada da mãe a cada piscada, ele percebeu que fechar os olhinhos e sorrir forçadinho é motivo de festa e agora não para mais de fazer isso. Só pra me agradar! Quer dizer, às vezes tem outros objetivos...


Ele pisca até para pedir colo, quando está com fome ou quer algum brinquedo que está longe, inclusive quando já está quase chorando irritadinho com alguma coisa. Ele sabe que se piscar assim, derrete o coração da mamãe e ganha tudo o que deseja. Tô criando um filho mimadinho? Ah... nem que crie. Não resisto! rarara.

Quem resiste hein? Além da piscadela, Joãozinho também faz brum brum com mais ênfase agora, fala várias sílabas e dá as gargalhadas mais gostosas do universo universal. Descobriu que bater uma coisa na outra faz barulho e adorou. Ele tosse forçado quando quer arrotar, é um sarro.

Nesta fase, bem mais firme e sentado sem apoio, ele também já aprendeu a procurar objetos, como o controle remoto e o celular (seus brinquedos favoritos no momento, além de sacolinhas de plástico) debaixo de almofadas. Tão inteligentinho esse meu pimpolho! #exageromodeon

O danado já fica bravo se tiro da mão dele algum brinquedo, faz beicinho e chora. Me chateia ver que ele é bem assustadinho. Qualquer barulho mais alto, como o pai espirrando, já vira em choro. Ele se agarra em mim e sinto que o coração dispara, inclusive quando a Clarinha late lá fora. 
"Pisca pra mamãe!"
Brinquedo favorito


TV do Bebê


Tá cada dia mais fã da Galinha Pintadinha e gosta bastante também de um desenho que a vó Sônia deu, o Charlie e Lola. Eu não conhecia e achei uma graça. O irmãozinho mais velho tem uma paciência de Jó para explicar tudo pra irmãzinha. Bem fofo.

Coloco ainda a coletânea do Baby Einstein pra ele assistir, mas acho que não gosta tanto, se distrai facilmente. É uma produção norte-americana comercializada como educativa e que já rendeu polêmica, mas que gostei. Nada contra meu bebê ver fantoches e ouvir Mozart. Detalhe: a tonta aqui comprou pelo Mercado Livre numa super promoção (ahan) e nem percebeu que era a versão em inglês! Já to imaginando ele dizendo que as clouds foram embora e que o sun está lindo. ririri

Durante o dia, ele dorme no colchão no tapete da sala assistindo a seus desenhos. Quando acorda, rola de bruços e começa a forçar os bracinhos para alcançar alguma coisa. Está ensaiando para quando for engatinhar.

É assim a maior parte do tempo

Rotina e diversão

Ele chegou, enfim, àquela época em que se diverte horrores quando a gente se esconde e surge atrás de alguém dizendo "tu-tuuu, achooou!". Por enquanto vai no colo de todo mundo e adora tirar os óculos das pessoas. Ainda é simpático.

Desde que começamos com a papinha salgada na hora do almoço (em breve, post com as receitas), a rotina ficou bem mais definida. Ele acorda às oito da manhã super disposto, mama (só peito ainda), brinca e faz cocô. Aí toma banho rapidinho, come papinha de fruta, toma água e assiste a Galinha até adormecer, por volta das 10. Acorda perto da 1 hora, come papinha salgada, toma suco e brincamos até umas 3 da tarde, quando ele volta a dormir até as 6. Novamente papinha de fruta, água, brincadeiras e banho às 8.

Tudo isso sempre com um peitinho nos intervalos. Enquanto assisto às maldades da Carminha e me divirto com Adalto, Zezé, Janaína e Cia (ô novelinha boa né?), ele mama, mama, mama e adormece na cama comigo. Às 10 ele já está no berço e, geralmente, dorme até 1 hora para a saga das mamadas noturnas, que continua às 3, às 6 e assim recomeçamos tudo. Como tem mamado menos de dia, meu organismo ainda está se acostumando e a produção de leite tem sobrado. Voltamos às almofadinhas absorventes.

O bom é que agora consigo planejar melhor meu dia. Sei que horas posso vir ao computador, fazer o almoço, sair de casa etc.

O banho está cada vez mais bagunçado. Além de bater na água e lavar o banheiro todo, agora inventou de pegar o sabonete ou puxar a mangueirinha do chuveirinho e fica esticando as mãozinhas para agarrá-los. Aí é aquele agito com o sabonete pra cá, sabonete pra lá e dá-lhe firmeza nos braços pra segurar a ferinha.

Outra boa notícia desse período é que João não precisa mais tomar domperidona, o remédio para o refluxo. Aos poucos fui diminuindo a dose e agora raramente dou. Acredito que sarou. Toda manhã, toma um complexo (Vitawin 2) com vitaminas A, C, D, Ácido Fólico, Minerais, Ferro e Zinco.

Alegria da vida da mamãe

Registros

- Dia 1° foi nosso primeiro aniversário de casamento e tem post comemorativo no blog dos três casais. Pra quem não sabe, eu e meus dois irmãos fizemos uma festa só num casamento super emocionante.

- Na última semana, mais uma vez, passeamos bastante e ficam aqui os registros. Em Tibagi, fui assinar minha demissão, a comadre Dani foi junto de babá e aproveitamos para rever os tios do João, as bisas, o biso, a turma da Prefeitura e a Juliana Nogueira mais Pedrinho, que nos receberam numa tarde deliciosa. Ai que nega maluca mais gostosa a tua hein Ju? Amei! O Pedro tá uma fofura. Agora te espero aqui.

Pedrinho e Juliana

- Sábado teve sessão de fotos do papai para a formatura e, claro, acompanhamos.
Sessão para o convite da formatura

- Domingo fomos a Castro, onde eu voto. Meus candidatos a prefeitos de Castro e Tibagi infelizmente perderam nas urnas, mas fizeram bonito. Aproveitei para rever minha parentaiada e Joãozinho rolou no chão com o priminho Mateus, que é super carinhoso. Um dengo os dois juntos!

Priminho e vovó
- E pra começar a semana, vacina dos seis meses. Que dó! Duas picadonas e duas gotinhas. Só que meu filho é muito do macho pra dor e nem reclama. Acredita que ele só dá uma resmungada na hora da picada e depois segue brincando como se nada tivesse acontecido? Problema é que desta vez teve reação e no período da tarde tive de dar paracetamol pra controlar uma febrinha e a dor, que aí sim incomodou um pouco.

- Em seguida, João pai ficou com a coluna travada e passamos quase um dia inteiro com ele no hospital e na clínica de um ortopedista. Felizmente Joãozinho anda fácil de lidar, porque estacionamento de hospital não é o lugar mais legal do mundo pra se ficar com um bebê. Definitivamente não.


Já escrevi demais para alguém do meu tamanho, por isso conta aí qual a travessura linda que você lembra de seu filho/sobrinho/primo/irmão?


E vem ne mim feriadão! Um beijo grande e até loguinho!

Madrinha Dani

Bisavô Alcindo

Bisavós Têre e Cuca




terça-feira, 9 de outubro de 2012

Dia das Crianças: menos presente, mais presença

Nesta semana tem Dia das Crianças e antes de sair correndo comprar um super brinquedo lindo pro filhão, quero compartilhar aqui duas reflexões bem interessantes que me foram sugeridas e reforçam o que já penso: mães e pais devem saber de sua responsabilidade e ser mais presentes na vida das crianças! E falo de causa própria, afinal, aqui em casa, embora a gente se esforce, é preciso admitir que as coisas ainda não estão perto do ideal.

1) Diz aí, doutor!

Neste vídeo, o pediatra José Martins Filho enfatiza a relevância da maior participação dos pais na rotina dos filhos, no desenvolvimento da personalidade, cognitivo e até biológico das crianças. Foi a querida da Angelita Kobay Prestes, que conheço daqui do blog, quem me enviou pelo face. Eu ameeeeeei tudo o que este médico disse e recomendo que você tire 15 minutinhos para ouvi-lo.

A rotina dos papais contemporâneos é isso aí... trabalho demais, horas de menos, carinho e atenção aos filhos com hora marcada. Acabamos terceirizando a educação dos nossos filhos quando precisamos deixá-los na escolinha, com a avó, com a babá e nem sempre é fácil dispender de tempo inclusive aos finais de semana.

A gente pode se culpar, se cobrar, rolar no chão, mas se de fato não houver mudança, nada adianta. Por isso concordo que as pessoas precisam pensar se querem e podem ter filhos. É importante refletir se haverá tempo e disposição para participar da vida desta criança.

O que ouvi aqui foi fundamental para confirmar a decisão que já tinha tomado, de ficar em casa por mais um tempo - enquanto der. Não se trata de abrir mão da carreira para ser mãe, apenas e simplesmente, mas de dedicar o tempo que eu posso ter a ele neste primeiro ano de vida. Sei que esta realidade é "um luxo", um privilégio meu, porque a maioria das mães precisa tirar a criança do peito no quarto mês e voltar com o coração dilacerado pro trabalho.

"É evidente que o pai é fundamental e é evidente que ele tem que participar da educação do seu filho", diz o doutor ali. Mas é evidente que o pai nem sempre pode estar presente como deveria. E aqui em casa é assim, por enquanto. João não tem tempo. Ele se cobra, eu cobro ele, nós dois lamentamos, mas o fato é que o pai do meu Joãozinho está vivendo uma fase complicada de sua vida e por isso eu decidi ficar em casa para não deixar o pequeno perdidinho, sem referência de pai e mãe.

João sai às sete da manhã e nos deixa agarradinhos na cama, todos os dias, sempre com aquele ar de "como eu gostaria de ficar aqui". Dirige 100 km até chegar ao trabalho e retorna no final do dia direto pra faculdade. Chega em casa depois das 10 da noite, morto de canseira, quando Joãozinho já está dormindo. Raramente tem tempo de ler o blog e provavelmente nem vai ver que eu contei tudo isso aqui, rerere.

Restam os finais de semana para os dois se entenderem, mas ultimamente tem sempre algum compromisso do tipo fotos da sessão de formatura, provas, TCC... Sem falar que é o único tempo que temos juntos e para ver a família, ir ao mercado, resolver coisas da casa. Não é fácil para eles.

O que nos conforta é saber que a fase é passageira. A faculdade já vai acabar e não vejo a hora de dezembro chegar para finalmente termos o papai em casa. Acho que ele também está ansioso por isso. Aí, enfim, poderemos quem sabe seguir as recomendações do doutor José.


2) Menos presentes, mais presença!


A segunda reflexão é do blog Infância Livre do Consumismo. A imagem acima é parte de uma campanha para orientar pais sobre a importância do afeto e alertar para as artimanhas de marketing no Dia das Crianças. Quem não conhece um pai/mãe que tenta suprir sua ausência com brinquedos caros e lindos?

Mais importante que o brinquedo é a brincadeira. O desejo da criança não está no objeto de consumo, mas na presença dos pais numa brincadeira.

Pois bem... passei mesmo só para registrar isso aí, mas volto logo. E você? Concorda ou pensa diferente?

Beijinho

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Pisquei e lá se foram seis meses!


Todo mundo sempre me disse que o tempo voa quando o assunto é filho. Agora sei na prática o que isso significa. Pisquei e lá se foram seis meses!

Meu anjinho já tem quase o triplo do tamanho com que chegou a este mundo e aprendeu tanta coisa que fez o tempo passar depressa demais. Se por um lado as mudanças são diárias, por outro, o amor só aumenta e a alegria também.

Só revirando a memória mesmo pra relembrar as dificuldades das primeiras semanas, com cólicas, choro sem fim, inseguranças e um cansaço extremo. Isso a gente esquece fácil, ou, se lembra, é sem dor. O que ficou registrado de fato é aquela emoção da nossa primeira troca de olhares, da pele macia e daquela carinha toda amassadinha grudando no meu peito e me emocionando demais. A primeira risadinha, quando soltou os primeiros "angus", aprendeu a segurar os brinquedos e começou a morder o próprio pé...

Pisquei e ele começou a virar de bruços sozinho.

Ele agora balbucia sílabas e dá gritinhos com uma voz tão doce que chega a dar cárie. Tem um sorriso enorme e contagiante, fácil de tirar, que faz os olhinhos ficarem ainda mais esticadinhos, com formato de felicidade. As mãozinhas cada vez mais agitadas têm furinhos fofos e tratam de agarrar tudo, tudo mesmo, o que aparece pela frente. Seguram o copinho de suco sozinhas! As perninas, antes tão fininhas, estão cheias de preguinhas de gordura que tornam meu João um bonequinho propaganda de pneu. E elas estão tão firmes, ameaçando já os movimentos de um futuro engatinhar. Tudo nele é macio, tudo é meigo e cada dia ao seu lado é uma bênção que Deus me concede.

Pisquei e de repente ele sabe ficar sentado.

Hoje cantei parabéns e ele sorriu mostrando que dois dentinhos estão a postos na gengiva de baixo, esperando o tempo certo para sair com tudo. Ele sorri enquanto come suas primeiras papinhas salgadas, geme tão bonitinho como quem pede mais e enfia a mão na boca para se lambuzar todo. E até assim é lindo. Presenciei o milagre da vida acontecendo dentro de mim e depois, fora da minha barriga. Mas parece que foi ontem!

Pisquei e ele já não pode mais dormir no berço alto, precisamos baixar logo aquilo.

Ele não chora mais, não sente aquele monte de dor e mostra muita força até na hora da vacina. Dá uma resmungada e se acalma no mesmo instante. Resistiu à feia queda do berço e aguentou firme no peito da mãe, só no peito, até o fim deste sexto mês. Uma vitória!

Hoje a vida está bem mais fácil porque meu príncipe acorda sorrindo, muitas vezes dorme sozinho durante o dia, não reclama de nada, adora passear de carro, vai no colo de todo mundo e solta gargalhadas deliciosas à toa. É nossa melhor fase até aqui. Adoro ver ele forçando uma tossezinha só para chamar a atenção. Inclusive quando faz uma manha de brabeza porque tirei algum brinquedo da sua mão. Que esperto! Amo quando abre os braços para vir no meu colo, quando acorda ao meu lado passando a mãozinha no meu rosto, e até quando tenta arrancar fora meu nariz ou me deixar careca.


Pisquei e a banheira já ficou pequena!




Nestes seis meses, a vida brotou aqui dentro de casa e tenho este privilégio de acompanhar em tempo integral o desenvolvimento de um ser humano, cada etapa da evolução, cada reflexo, cada surpresa... Junto, foi crescendo um amor tão forte que chega a doer no meu peito. No dia a dia nem me dou conta do quanto ele é importante para mim e de quanto me transformou. Mas num dia como este, em que a pessoa mais importante da minha vida completa seis meses, fico sim mais emotiva e tocada pelo seu olhar. É nele que vejo meu coração pulsar e não há mais nada neste mundo que importe mais.

Pisquei e já não sei mais viver sem ele!

Este foi só o começo e sei que muita coisa boa me espera nos próximos seis meses, nos próximos anos, enquanto eu viver. A cada piscada dessas, quero encontrar a certeza de que estou fazendo o possível para que João cresça com saúde e repleto de felicidade. E isso seria apenas retribuir um pouquinho da imensa felicidade que ele me traz.

Te amo muito meu filho! Obrigada por me ensinar a amar sem fim!

Mamãe






segunda-feira, 1 de outubro de 2012

João caiu do berço e a culpa é minha

Agora só grades erguidas e travadas
Meu filho caiu do berço, a culpa foi minha, fomos parar no hospital e a coisa poderia ter sido muito grave, mas foi só um galo, um baita susto e uma grande lição... Antes deste assunto, peço que reflitam comigo:

***

1) As crianças crescem, evoluem e aprendem muito rápido, muito mais rápido do que a gente, adulto, que quase perde o controle sobre o desenvolvimento destes pequenos.

Ontem ele só esticava as perninas e hoje já rola na cama. Da noite para o dia começa a sentar sozinho e do
nada solta as primeiras palavrinhas. Claro que a alegria é imensa a cada novidade e, parafraseando a Loreta, do blog Bagagem de Mãe, que comentou no último post, "de todas as coisas que a maternidade nos proporciona, a mais legal é poder observar um novo ser evoluindo e desenvolvendo e a gente não tem controle nenhum sobre isso, é só vida, pura e simples evoluindo sem pedir licença. Impagável e delicioso". 

É Lô, impagável, delicioso e extremamente perigoso também. Meu filhinho é um serzinho de oito quilos e uma enorme disposição para conhecer o mundo, explorar seu ambiente e o próprio corpinho sem imaginar quanta coisa perigosa pode estar a seu alcance. Quem tem de imaginar e prevenir sou eu, a mãe, quem mais tempo passa com ele...

2) Nosso mundo, o criado pelos homens, é todinho feito pra criança se machucar! Ponto!

Porta prende dedo, quina tira lasca da unha do pé, chão é duro, madeira solta lasca, objetos em prateleiras caem, tomada dá choque, tesoura (até a de cortar unha de bebê) é afiada, forno esquenta e o fogão então é um parque de diversões de sexta-feira 13 dentro da casa da gente! Sim, tudo o que está à nossa volta representa risco pra estas minigentinhas que não sabem sozinhas se defender.

3) Humanos têm lapsos de atenção. Humanos cometem erros. 

Sabe aquela fração de segundo em que a cabeça para, o cérebro dá uma pausa, a atenção vai pras nuvens e a gente faz burrada? Aí a gente bate o carro, pisa em falso na escada, tira uma lasca do dedo cortando cebola, morde a bochecha e bate o cotovelo. É um pequeno instante de distração, mas a consequência pode ser grande.

***

Junte tudo isso e saberá porque João Augusto caiu do berço na última sexta-feira. Caiu peladinho e de cara no chão. De mais de um metro de altura, na cerâmica dura e gelada. Me dá calafrios só de falar.

A gente acordou na maior pilha porque o papai resolveu não ir trabalhar para resolver uma série de pendências por aqui, inclusive estudar pra prova da faculdade. Feliz com a presença do marido, eu estava cantarolando um funk muito do engraçado que escutei no Ídolos da noite anterior. Ao som de "ela bateu na minha porta e me pediu um copo de suco, vai rolar um vuco-vuco", eu tirava o pijaminha do Joãozinho e preparava o banho matinal para irmos à pediatra, que tinha consulta de rotina agendada.

Meu filho acordou sorrindo e dizendo "dá-dá-dá" além de um "mãiiin mãiiiin" que quase soava à "mamãe" naquele dia. Separei a roupa de astronauta pra ele usar pela primeira vez, aproveitando o friozinho. Eu estava tão animadinha que, ao tirar a fralda do pequeno, resolvi mostrar pro papai que o cocô dele tava cheio de cobrinha por conta das primeiras papinhas de banana que ele tinha comido.

Resolvi. Assim do nada. E simplesmente apaguei da mente que ali no berço aberto estava o meu filho, a pessoa mais importante do mundo, o meu maior amor, minha maior preciosidade. Virei as costas e mostrei a fralda. Em menos de um segundo lembrei que o berço estava aberto, foi quando ouvi um barulho horrível que ainda martela na minha cabeça. O barulho da cabecinha dele batendo no chão.

Nenê fica trancadinho né?

Depois disso seguiram-se desespero e oração. Juntei ele do chão e fiz o que tinha de fazer, apesar da culpa e da sensação horrível de medo que algo grave tivesse acontecido. João pai se descontrolou, entortou o óculos no próprio rosto, bateu forte na cama, jogou as cobertas no chão e gritou comigo. Isso em dois segundos.

Em seguida, mais controlado, fez também o que precisava fazer. Vestimos a primeira coisa que apareceu na frente, pegamos os documentos e entramos naquele carro rumo ao hospital. Eu segurei Joãozinho no colo e fui acalmando ele, que no caminho já estava bem mais tranquilo, mas com um galo despontando na testa e um roxo no nariz. Ele quis adormecer e eu não deixei, fiz promessas, rezei pra que Deus olhasse por ele. Ele já tinha olhado. 

Joãozinho mamou no caminho do hospital e depois a médica me alertou para o risco que isso também representa. Nunca se deve amamentar a criança depois de um tombo, um trauma. Ela pode aspirar o leite, vomitar, ter convulsões etc. Graças a Deus não foi o caso. Mais uma vez, eu estava errada. Agora aprendi, mas não quero mais precisar usar este conhecimento, rere.

Ele foi atendido com prioridade e a pediatra plantonista me tranquilizou. Disse que não havia nenhum osso quebrado e que o crânio estava em ordem, mas que mesmo assim ele faria um exame de raio-X para confirmar. Ela me contou sobre outros casos que já atendeu, inclusive de criança com fratura de crânio jorrando sangue pela orelha. Por mais terrível que fosse a história, me acalmava porque meu filho estava bem diante daquilo. Meu marido já estava bem mais calmo e se revezava comigo segurando o bebê, agora super animadinho, sorrindo para todas as enfermeiras e querendo escalar a gente.

Foram duas horas em observação e finalmente voltamos pra casa com a confirmação de que nada, além de um hematoma na testa, afetou a saúde do Joãozinho. Depois o levamos à consulta com a pediatra dele, que contemporizou ainda mais. "É normal, ele ainda vai cair muito", disse com a voz totalmente serena.
Quase não dá pra ver, mas tem um galo cantando roxo ali

É, elas, pediatras, estão acostumadas. Euzinha aqui, apesar de ter vivido no sítio e convivido com três irmãos peraltas que viviam machucados, não estou ainda habituada com a ideia de que acidentes domésticos acontecem e podem acontecer com meu filho.

Neste caso, o acidente deveria ter sido evitado. Até agora fico pensando como pude esquecer que ele estava no bercinho aberto? Talvez a rotina, a repetição... Já troquei ele mil vezes naquele lugar, nunca deixei ele sozinho lá, com a grade aberta, e de repente... um lapso, um instante de bobeira.

Serve como lição e como alerta. Por isso aproveito a oportunidade para mostrar uma cartilha que fala sobre como criar ambientes seguros e evitar acidentes com crianças. Já tinha lido isso antes e acho super válido. A dica é da Chris Ferreira, do Blog Inventando Com a Mamãe. A cartilha é do site da Osmogel e pode ser baixada gratuitamente aqui. Tem inclusive uns gibis super criativos e educativos sobre o tema.

Eu que já noticiei tanta história triste no jornal diário em que trabalhava (como crianças que morrem afogadas em balde com roupa de molho), sei bem o quanto a gente precisa estar mais e mais atenta. Ontem saímos para comprar um chiqueirinho, que nos dê alguma tranquilidade para o soninho dele. Por ora, ele dorme mesmo é com a mamãe e o papai, na cama! Levou vantagem, o bonito! rere.

No final, ficamos eu e João contando nossas histórias de acidentes na infância. Lembrei do quanto o Robson, meu irmão caçula, era danado: enfiou feijão no ouvido, cortou o pé com caco, enfiou prego no pé, cortou o queixo duas vezes no mesmo lugar na mesma semana, caiu da bicicleta milhares de vezes, se afogou com espinha de peixe, queimou a mãozinha na porta do fogão, se lançou escada abaixo quando aprendia a andar no disco (pro-i-bi-do aqui em casa e altamente desaconselhável pelas médicas) e mastigou bolinhas de árvore de natal, daquelas de vidro. Ele sobreviveu. Mas que não sirva de exemplo pro Joãozinho, né? rerere.

Quanto à culpa, passa! Com quem mais ele sofreria um acidente senão eu, que estou com ele 24 horas por dia? Mas não vou esquecer o que houve. O que vale é redobrar a atenção. O perigo está por todo lado, como na porta do shopping, onde um menino ontem deu um panfleto pro Joãozinho brincar, no carrinho. Quando vi, já tinha um pedação de papel na boca. O mundo dos homens é cheinho de armadilhas!

E você? Já viveu uma situação assim? Me conta, vai, pra eu ficar me achando uma mãe normal, rere. Agora vou continuar pagando as promessas que fiz. Ontem fui à missa logo cedo agradecer por Joãozinho estar bem! A reza continua... :-)

Beijinhos e até o próximo post, ainda nesta semana, afinal amanhã este menino completa seis meses!!!

P.S.: Desculpa aí pelo layout (ausência dele) do blog. Estamos em obras por aqui e logo logo teremos uma arte personalizada beeeem legal pra este espaço. Beijinhos


Atrás das grades!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...