Páginas

segunda-feira, 11 de março de 2013

Escolinha: o que não pode faltar

No parquinho da escola
Apesar de minha tentativa de deixar o bebê na escolinha para trabalhar não ter dado certo, o processo de escolha da instituição merece este post. Tirei o bebê da creche porque realmente decidi esperar mais um pouco para voltar ao trabalho, mas certamente voltaremos àquele colégio quando chegar a hora certa.

Durante uma semana, visitei várias instituições de ensino particulares aqui da minha cidade. Desde a escolinha pequena, no bairro, até o colégio mais chiquetoso, mais referenciado e com a maior estrutura (maior mensalidade também, claro). Fui atrás de várias indicações que a tchurma me fez pelo face. Deu certo.

Não tenho nada contra escolas públicas, fui educada nelas desde o primário até o ensino superior e posso garantir que tive uma boa educação. Inclusive venho de uma cidade onde as creches do Município são maravilhosas, melhores que as escolinhas privadas daqui onde vivo agora. Mas só olhei as particulares por dois motivos: 1. que já não havia mais vagas nos centros municipais de educação infantil aqui de perto no mês de fevereiro; 2. meu marido não concordaria e não estou disposta a contrariá-lo nisso porque sei que quer o melhor (dentro das nossas possibilidades) pro nosso filho. É isso...

Das minhas visitas, o que mais me surpreendeu positivamente, em geral, foi o bom atendimento pelas coordenadoras, pedagogas e professoras. Em quatro das seis instituições que visitei, fui super bem recebida e pude conhecer as acomodações todas. Só na mais chiquetosa é que não passei do portão porque a profissional indicada estava ocupada no momento e eu teria de agendar um novo horário (ô dificuldade!). Mas lá meu pequeno nem seria aceito porque só entram crianças que já saibam andar.

Agora, por mais que não seja aqui minha função criticar, preciso contar que muitas coisas me surpreenderam negativamente. A falta de espaço em duas delas chegou a me sufocar. O fato de insistirem que eu deveria dar mamadeira pro João em duas também me incomodou bastante. Noutra, o trânsito no entorno da escola era uma loucura e seria impossível estacionar a menos de três quadras da sala de aula onde precisaria ir levar e buscar o neném. Imagina com chuva?

Não gostei do calor em algumas e da falta de espaços alternativos, como parquinhos. Também saí nervosa de outra onde as crianças estavam amontoadas em cadeirinhas de alimentação, sujas de banana, chorando sem parar e com apenas duas tias para dar conta duma penca de crianças. Algumas escolinhas sequer fazem questão de apresentar alguma linha pedagógica aos pais, como se no infantil I isso não interessasse. Como se lá fosse apenas um depósito de bebezinho.

Enfim... Sei que algumas profissionais não gostaram muito de me atender porque fui com uma lista na mão perguntando ponto a ponto e fazendo anotações. Eu e minhas listas. Quem me conhece, sabe. kkkkkkkk. Devo ter parecido uma doida lunática! rarara. Mas acabei fazendo uma escolha de que gostei. Além dos itens da lista, foi questão de empatia. Bati o olho na salinha de aula, conversei com a tia que cuidaria dele (querida da tia Emilly) e tive certeza de que seria ali. Embora a escola não oferecesse, como outra, o monitoramento por câmera, ou o horário prolongado para retirada.

Me senti à vontade ali e percebi que a estrutura era adequada, além da sala ampla, arejada, fresquinha até, toda de tatame, com bercinhos individuais e brinquedos lúdicos, havia sala separada para refeições, parquinho coberto e sem areia (tatame lá também) e sala de troca e banho. A história do colégio, com mais de 100 anos, colabora. É uma instituição ligada à igreja católica, coisa que eu apreciei, e o preço não era abusivo.

Enfim... segue abaixo a malfadada listinha da Manu Mamãe para a escolha do lugar certo. Muitos itens retirei de outros blogs, que indicam fatores a pensar.

Ele gostava deste espaço

- Localização 
* Fica perto do trabalho? Tem vaga para estacionar?

- Estrutura
* Tem berço individual?

* O espaço é arejado?
* Quais os recursos pedagógicos?
* Tem áreas seguras de brincar, onde engatinhar, carrinhos, andadores (neste caso, melhor não ter)?
* Tem monitoramento por câmera via internet? É novidade, mas algumas já oferecem.

- Segurança
* Preste atenção aos brinquedos, tanto da área interna como na externa, nos acessos a escadas ou rampas e até em se há extintores de incêndio espalhados pelas instalações.
* As crianças têm como entrar e sair sem ser acompanhadas ou notadas?
* Desconhecidos conseguem passar sem algum tipo de controle?

Alimentação
* Tem nutricionista? Peça o cardápio e compare com as necessidades/rotina do seu bebê.
* Que refeições são servidas?
* Peça para conhecer a cozinha e o modo de preparo das refeições.
* Se o bebê não usa mamadeira, não toma leite artificial ou de vaca, quais as opções oferecidas?

- A turma 
* Quantos bebês (na minha opinião, o ideal é menos de três por professora)?
*Quais as idades? O ideal é que não haja mistura de bebês com crianças mais velhas.
* Quantas professoras?
* A escola também oferta ensino para crianças maiores? Elas chegam a ter contato com o local do Infantil?

- Limpeza geral

* Observe se os profissionais lavam as mãos com frequência e se as crianças ficam confinadas em espaços muito pequenos em dias de frio ou chuva.
* Como é feita a higiene dos bebês e a separação dos objetos pessoais?
* Note presença de moscas, abelhas e insetos. 
* As professoras usam jalecos, capas de proteção nos calçados para não levar a sujeira da rua para a sala?
* Pessoal do refeitório e cozinha usa toucas, luvas, aventais?
* Como é o procedimento de higiene dos objetos de cada aluno? Lençóis, toalhas, cobertas... são enviados para a casa para lavar?


- Horários
* Veja se a escola possibilita alguma maleabilidade no horário de entrada e saída. Algumas são super rigorosas e nem sempre a gente consegue estar lá no horário determinado.

- Saúde
* Qual o procedimento em caso de doença, queda, machucado?

- Pedagogia
* Peça para conhecer o currículo pedagógico. Observe se inclui atividades físicas, brincadeiras, tempo de descanso, atividades em grupo e individuais, além de refeições, de acordo com a idade de cada criança.
* Qual o nível de educação e experiência das professoras e equipe?
* Como é a comunicação com os pais? O bebê leva uma agenda para casa? As professoras têm contato direto diário com os pais? (Tia Emilly falava comigo até durante o dia de seu próprio celular. Isso contou muito ponto a favor.)

* Como funciona a fase de adaptação?
* A escola é bilingue?


- Preços
* Formas de pagamento?
* Quantas mensalidades?
* A lista de materiais é muito dispendiosa?
* Veja se o valor da mensalidade inclui materiais pedagógicos e atividades extracurriculares, que costumam ser cobradas a parte em algumas escolas.


Lista de Materiais

Esta era a caixa de fraldas que eu mesma decorei

Prepare o bolso! Em relação à lista de materiais, achei meio exagerada para um bebê, mas comprei tudo e entreguei lá. Ele nem chegou a usar porque foi apenas oito vezes pra escolinha. E na hora de cancelar o contrato, não pude reaver os materiais que a esta altura já estavam todos misturados. Peguei de volta apenas os itens que eram exclusivamente do João.

Na lista tinha desde folhas de EVA, rolos de papel colorido, papel micro-ondulado, TNT, folhas de sulfite, tinta guache, caderno de desenho a caixas plásticas para fraldas e para seus objetos, fraldas, 4 caixas de lenço de papel (pra que tudo isso, me diga?), lenço umedecido, pomada para assadura, escova de cabelo, toalha, lençol, travesseiro, fronha, coberta, sabonete, roupas do bebê e sacolinhas para roupas sujas - entre outras coisas.

___

Como disse, a escolha tem de ter a questão da empatia, que vai além dos critérios da lista. Nem tudo é perfeito e nem sempre você vai encontrar as coisas do jeito como gostaria. A gente também precisa se adaptar. Na escolinha do meu bebê, eu aprendi a confiar. Algumas vezes fiquei atordoada com o barulho das outras crianças no pátio na hora do recreio, mas lembrei que já fiz parte daquela gritaria toda e sobevivi. Meu filho ainda vai chegar lá e fazer a mesma coisa. Noutro dia, pirei de ver abelhas rondando a sala e cheguei a falar com a coordenadora sobre isso. É um prédio bastante antigo, mas super bem conservado e todo adaptado. No geral, gostei de lá e pretendo que João volte praquela turminha, quando estivermos prontos pra recomeçar.

Pronto, agora que já compartilhei contigo, aguardo tua sugestão, crítica, outros itens pra lista, comentário enfim...

Beijocas e até logo mais.

10 comentários:

  1. Adorei a lista e vou levar cmg esse ano para escolher a escolinha do Arthur!Ai são tantas coisas que a gente tem que prestar a atenção nesse momento!
    beijão Pri!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bom sempre avaliar bastante mesmo né. flor? beijo e obrigada da visita.

      Excluir
  2. Sabes que essa questão de horário p/ chegar e sair foi fundamental p/ escolher a escolinha da nossa filha e a questão de deixar a criança mais livre sem uma sobre carga de conteúdo, ela vai p/ brincar ou aprender brincando. Gosto muito da escolinha dela e só o fato dela adorar as prof. já é muito bom.
    Bjs
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade verdadeira. Acho chato quando a escola impõe horário e não nos permite entrar, pois são nossos filhos lá e já que não tem conteúdo disciplinar, acho que a gente tem mais é que escolher a que horas buscar e ponto. Beijo Silma.

      Excluir
  3. Oi Manu, essa é uma elcolha nada fácil mesmo.Sua lista está ótima, mas a empatia é tudo. Sentir que o local é acolhedor, que as pessoas têm carinho pelas crianças e pricipalmente ter portas abertas. Os pais poderem entrar na escola a qualquer hora sem precisar agendar previamente foram fundamentais na minha escolha.
    beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com/
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso aí... portas abertas é o ideal. Obrigada pela colaboração flor. Beijo grande.

      Excluir
  4. Sua lista é perfeita, amiga! Eu usei de tudo isso para escolher a escola para o Murillo, e o melhor de tudo é que ele ficou meio periodo então eu escolho o que ele vai comer na escolinha!
    Beijos Ca
    #amigacomenta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João também era meio período e eu mandava a frutinha... bem assim mesmo. Beijo cami! Apareça sempre.

      Excluir
  5. Manu, que saudades de comentar aqui!!!! Mas, vamos lá..achei o post super completo, vai ajudar muito nossas mães leitoras!!!! a única coisa que incluiria é sobre berços individuais (muitas escolas já não utilizam mais berços e sim apenas colchões) para não ter perigo de quedas ou enfiar pernas, braços, cabeças, entre as estruturas do berço!!!) Sugestão, tá??? é que este item me chama muito a atenção!!! Quando procurei berçário este tb. era um pré requisito... Parabéns!!! bjão Camila Mamãe Viver Bem Bom #amigacomenta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. booooooooooooooa Cami!!! Tá mais que certa. Fica a dica então. Colchãozinho. Beijo flor e apareça mais. :-)

      Excluir

Comenta aí que a mamãe fica faceira! E volte sempre, a casa é sua! :-) Ou me mande um e-mail: emanoellew@gmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...